O que é Análise Fundamental (FA)?
O que é Análise Fundamental (FA)?
InícioArtigos

O que é Análise Fundamental (FA)?

Iniciante
1w ago
11m

Introdução

Quando se trata de trading – tanto de ações tradicionais quanto de criptomoedas – não existe uma fórmula para o sucesso. Se existe, os grandes investidores de Wall Street garantem que a fórmula permaneça em segredo.

O que temos, em vez disso, é uma grande variedade de ferramentas e metodologias empregadas por traders e investidores. A maioria dessas técnicas pode ser classificada em duas categorias: análise fundamental (FA) e análise técnica (TA).

Neste artigo, abordaremos os princípios básicos da análise fundamental.


O que é análise fundamental?

A análise fundamental é um método usado por investidores e traders para avaliação do valor intrínseco de ativos ou negócios. Para faze avaliações precisas, eles estudam os fatores internos e externos e procuram determinar se o ativo ou negócio em questão está supervalorizado ou subvalorizado. Suas conclusões podem, então, ajudar a formular uma estratégia mais apropriada, que terá maior probabilidade de gerar bons retornos.

Por exemplo, se você se interessou por uma empresa, pode primeiro estudar fatores como lucros, balanços, relatórios financeiros e fluxo de caixa da empresa para ter uma ideia geral do status financeiro. Então, você pode avaliar o mercado ou setor em que ela opera. Quem são os concorrentes? Considerando dados demográficos, quais são os principais alvos da empresa? Ela está expandindo seu alcance? Você pode "diminuir ainda mais o zoom" e considerar outros fatores econômicos, como taxas de juros e inflação, entre outros.
O exemplo acima é conhecido como abordagem bottom-up (de baixo para cima): você começa com uma empresa na qual está interessado e vai expandindo a perspectiva para compreender seu lugar na economia em geral. Entretanto, você também pode adotar uma abordagem top-down (de cima para baixo), na qual você faz análises considerando, primeiramente, um panorama geral.

O objetivo deste tipo de análise é obter um preço esperado das ações e compará-lo ao preço atual. Se a estimativa de preço for maior que o preço atual, você pode considerar que as ações estão subvalorizadas. Se for inferior ao preço de mercado, você supõe que estão supervalorizadas. Com os dados de sua análise, você pode tomar decisões sobre a compra ou venda de ações daquela empresa específica.


Análise fundamental (FA) vs. análise técnica (TA)

Novos traders e investidores de criptomoedas, forex ou mercados de ações geralmente ficam confusos sobre qual abordagem seguir. A análise fundamental e a análise técnica apresentam um forte contraste e contam com metodologias significativamente distintas para analisar coisas diferentes. Ainda assim, ambas fornecem dados importantes para atividades de trading. Então qual é a melhor?

Na verdade, talvez faça mais sentido perguntar o que cada uma delas oferece. Essencialmente, usuários de análise fundamental acreditam que o preço das ações não indica, necessariamente, o real valor da ação – uma ideologia que sustenta suas decisões de investimento. 

Por outro lado, os analistas técnicos acreditam que o movimento futuro dos preços pode ser previsto, de alguma forma, a partir da ação dos preços anteriores e dos dados de volume. Eles não se preocupam em estudar fatores externos, preferindo, em vez disso, se concentrar em tabelas de preços, padrões e tendências de mercados. Seu objetivo, é identificar pontos ideais para entrada e saída de posições.

Os defensores da Hipótese do Mercado Eficiente (EMH) acreditam que é impossível superar o mercado de forma consistente com análise técnica (TA). A teoria sugere que os mercados financeiros representam todas as informações conhecidas sobre os ativos (que são “racionais”) e que já levam em consideração os dados históricos. Versões “mais fracas” do EMH não desacreditam a análise fundamental, mas as “mais radicais” argumentam que é impossível, mesmo com pesquisa rigorosa, obter vantagens competitivas.

Logicamente, nenhuma das duas estratégias é necessariamente melhor, já que ambas podem fornecer informações valiosas em diferentes áreas. Alguns podem se adequar melhor a certos estilos de trading e na prática, muitos traders usam uma combinação das duas para observar o mercado, de um modo geral. Isso é válido tanto para trades de curto prazo quanto para investimentos de longo prazo.


Indicadores populares em análise fundamental

Para obter insights e perspectivas com análise fundamental, não consideramos candlesticks (gráficos de velas), MACD ou RSI – existem alguns outros indicadores específicos que são usados em FA. Nesta seção, veremos alguns dos mais conhecidos.


Earnings per Share (EPS) ou Lucro por Ação (LPA)

O lucro por ação é uma medida consolidada sobre a lucratividade de uma empresa, informando quanto lucro ela gera para cada ação em circulação. O LPA é calculado usando a seguinte fórmula:

(lucro líquido - dividendos de ações preferenciais) / número de ações


Suponha que uma empresa não pague dividendos e seu lucro seja de $1 milhão. Com 200.000 ações emitidas, a fórmula nos dá um LPA de $5. Não é um cálculo complexo, mas ele pode nos fornecer algumas dicas sobre possíveis investimentos. Negócios com LPA mais alto (ou crescente) são geralmente mais atraentes para os investidores.

Alguns preferem usar o lucro diluído por ação, pois ele também leva em consideração fatores que podem aumentar o número total de ações. No caso das Opções de Ações (stock options), por exemplo, os funcionários têm a opção de comprar ações da empresa. Com isso, geralmente há um número maior de ações na divisão do lucro líquido, então espera-se obter um valor menor para o LPA diluído em relação ao LPA simples.

Como acontece com todos os indicadores, o lucro por ação não deve ser a única métrica usada para avaliar um possível investimento. É uma ferramenta útil quando usada em conjunto com outras.


Price-to-Earnings (P/E) Ratio ou Índice Preço/Lucro (P/L)

O índice preço/lucro (ou relação P/L) avalia uma empresa comparando o preço da ação com seu LPA. É calculado usando a seguinte fórmula:

preço da ação / lucro por ação


Vamos reutilizar a mesma empresa do exemplo anterior, que teve um LPA de $5. Digamos que cada ação seja negociada a $10, o que nos daria uma relação P/L de 2. O que isso significa? Bem, isso depende de outros resultados da nossa pesquisa. 

Muitos usam o índice preço/lucro para determinar se uma ação está supervalorizada (se o índice for mais alto) ou subvalorizada (se o índice for menor). É uma boa ideia levar o número em consideração, comparando-o com o P/L de empresas semelhantes. Vale lembrar novamente que essa regra nem sempre é verdadeira, então é melhor usá-la junto com outras técnicas de análise quantitativa e qualitativa.


Price-to-Book (P/B) Ratio ou Índice Preço/Valor Patrimonial (P/VP)

O índice preço/valor patrimonial (P/VP ou P/B, do inglês, price-to-book ratio) pode nos dizer como os investidores avaliam a empresa em relação ao seu valor patrimonial. O valor patrimonial é o valor de uma empresa conforme definido em seus relatórios financeiros (normalmente, ativos menos passivos). O cálculo é o seguinte:

preço por ação / valor patrimonial por ação


Vamos usar, mais uma vez, a empresa dos exemplos anteriores. Vamos supor que ela tenha um valor patrimonial de $500.000. Cada ação é negociada a $10, sendo um total de 200.000 ações. Nosso valor patrimonial por ação é, portanto, $500.000 dividido por 200.000, que dá $2,5. 

Adicionando os números na fórmula, $10 dividido por $2,5 nos dá um valor P/VP de 4. Aparentemente, não é um valor muito bom. Ele indica que no momento, as ações estão sendo negociadas por um valor quatro vezes maior do que o valor real da empresa, no papel. Isso pode sugerir que o mercado está supervalorizando a empresa, talvez na expectativa de um grande crescimento da mesma. Se o valor do índice fosse menor que 1, ele indicaria que a empresa tem mais valor do que o mercado reconhece no momento.

Uma limitação do relação preço/valor patrimonial é que ela é mais adequada para a avaliação de negócios com “ativos pesados”. Empresas com poucos ativos físicos não serão bem representadas por esse tipo de análise.


Price/Earnings-to-Growth (PEG) Ratio ou Índice Preço/Lucro sobre Crescimento (PEG)

A relação preço/lucro sobre crescimento ou, em inglês, Price/earnings-to-growth ratio (PEG), é uma extensão da P/L. O PEG considera também as taxas de crescimento. A fórmula é a seguinte:

índice preço/lucro / taxa de crescimento dos ganhos


A taxa de crescimento dos ganhos é uma estimativa do crescimento previsto dos lucros da empresa, em um determinado período. Essa medida é expressa como uma porcentagem. Suponha que estimamos, para a empresa do nosso exemplo, um crescimento médio de 10% nos próximos cinco anos. Pegamos o valor do índice preço/lucro (2) e o dividimos por 10, obtendo um índice de 0,2.

Essa proporção sugere que investir na empresa é uma boa ideia, pois ela está subvalorizada se considerarmos a estimativa de crescimento futuro. Geralmente, qualquer empresa com uma proporção inferior a 1, está subvalorizada. Qualquer valor acima pode ser considerado um sinal de supervalorização.

O índice PEG é bem mais utilizado do que o P/L, pois ele considera uma variável de extrema importância, omitida pelo P/L.



Análise fundamental e criptomoedas

As métricas mencionadas não costumam ser aplicáveis para criptomoedas. Em vez disso, você pode observar outros fatores para avaliar a viabilidade de um projeto. Na seção a seguir, falaremos sobre alguns indicadores usados por traders de criptomoedas.


Network Value-to-Transactions (NVT) ou valor da rede por volume de transações

Geralmente considerado como o equivalente do índice P/L dos mercados de criptomoedas, o indicador NVT está rapidamente se tornando referência na análise fundamental de criptomoedas. Ele pode ser calculado da seguinte forma:

valor da rede / volume diário de transações


O NVT tenta mensurar o valor de uma rede com base no valor de transações que ela processa. Suponha que você tenha dois projetos: Moeda A e Moeda B. Ambos têm uma capitalização de mercado de $1.000.000. No entanto, a Moeda A tem um volume de transações diárias no valor de $50.000, enquanto a Moeda B’ tem um volume de $10.000.

O índice NVT para a Moeda A é 20 e o NVT para a moeda B é 100. De modo geral, ativos com índices NVT mais baixos são considerados subvalorizados. Já os índices mais altos indicam ativos supervalorizados. Considerando os dados do exemplo, eles sugerem que a Moeda A está subvalorizada em relação à Moeda B.


Endereços ativos

Alguns usuários observam o número de endereços ativos em uma rede para avaliar o quanto ela está sendo usada. Embora não seja confiável como um indicador independente (pois essa métrica pode ser manipulada), ela pode revelar informações sobre a atividade da rede. É um fator que você pode incluir ao fazer uma avaliação completa de um ativo digital.


Breakeven/ponto de equilíbrio entre preço e mineração

O price-to-mining-breakeven ou ponto de equilíbrio entre preço e mineração, é uma métrica usada para avaliar moedas Proof of Work, que são mineradas pelos participantes da rede. Esse índice considera os custos associados ao processo de mineração: como por exemplo, despesas com eletricidade e hardware.
preço de mercado da moeda / custo para minerar uma moeda


A relação de equilíbrio entre preço e mineração pode revelar muito sobre o estado atual de uma rede blockchain. O chamado 'breakeven' ou ponto de equilíbrio, refere-se ao custo de minerar uma moeda – por exemplo, se esse valor for de $10.000, ele indica que os mineradores gastam em torno de $10.000 para gerar uma nova unidade da respectiva moeda.
Suponha que a Moeda A seja negociada a $5.000 e a Moeda B a $20.000. Ambas têm um breakeven de $10.000. A proporção da Moeda A será 0,5, enquanto a da Moeda B será 2. Como a proporção da Moeda A é menor que 1, isso indica que os mineradores estão operando com prejuízo para minerar a moeda. Por outro lado, a mineração da moeda B é lucrativa, pois para cada $10.000 gastos com a mineração, os mineradores recebem $20.000.

Por causa dos incentivos, podemos prever que, com o tempo, a proporção tenderá a 1. Para a Moeda A, os usuários que estão minerando com prejuízo provavelmente sairão da rede, a menos que o preço suba. A Moeda B tem uma recompensa atraente, então se espera que mais mineradores participem da rede, até que ela não seja mais lucrativa.

A eficácia deste indicador é muito discutida. Ainda assim, ele dá uma ideia da economia da mineração, que você pode levar em consideração ao fazer uma avaliação geral de um ativo digital.


Whitepaper, equipe e roadmap (roteiro)

A maneira mais popular para avaliar criptomoedas e tokens envolve alguns métodos de pesquisa tradicionais dos respectivos projetos. Lendo um white paper, você pode entender os objetivos de um projeto, seus casos de uso e sua tecnologia. Além disso, o histórico dos membros da equipe dá uma ideia de sua capacidade de criação e desenvolvimento de um novo produto. Por fim, o roteiro informa se o projeto está no caminho certo. Esse tipo de análise pode ter outras pesquisas adicionais para avaliar a probabilidade de o projeto atingir seus marcos.


Prós e contras da Análise Fundamental

Prós da análise fundamental

Análise fundamental é uma metodologia robusta para avaliar empresas de uma forma que não é possível com a análise técnica. Para investidores em todo o mundo, estudar uma série de fatores qualitativos e quantitativos é um ponto de partida importante para qualquer operação de trading.
Qualquer pessoa é capaz de fazer análises fundamentais, contanto que use como base, técnicas testadas e comprovadas e dados legítimos disponíveis. Ou, pelo menos, é o que acontece nos mercados tradicionais. Se olharmos para as criptomoedas (ainda uma pequena indústria), os dados nem sempre estão disponíveis e a forte correlação entre os ativos indica que a análise fundamental pode não ser tão eficaz.

Se feita corretamente, ela fornece uma base para identificação de ações subvalorizadas que têm uma tendência de valorização, ao longo do tempo. Investidores importantes como Warren Buffett e Benjamin Graham têm demonstrado, de forma consistente, que pesquisas minuciosas sobre negócios podem trazer resultados muito positivos.


Contras da análise fundamental

É fácil fazer uma análise fundamental. O que é difícil é fazer uma boa análise fundamental. Determinar o “valor intrínseco” de uma ação é um processo complexo que requer muito mais do que apenas inserir números em uma fórmula. Muitos fatores precisam ser avaliados e a curva de aprendizado para fazer isso com eficácia pode ser íngreme. Além disso, é um tipo de análise mais adequada para trades de longo prazo do que de curto prazo.

Esse tipo de análise também ignora alguns fatores de mercado importantes e tendências que a análise técnica é capaz de identificar. Como disse o economista John Maynard Keynes: 

O mercado pode continuar irracional por mais tempo do que você pode manter sua lucratividade.

Ações que parecem subvalorizadas (por todas as métricas) não têm garantia de aumento de valor no futuro.


Considerações finais

A análise fundamental é uma prática consolidada usada por traders bem-sucedidos. Refinando uma estratégia, os investidores podem não apenas estimar melhor o valor real de ações, criptomoedas e outros ativos, mas também compreender melhor os negócios e os setores como um todo.
Combinada com a análise técnica, a análise fundamental pode fornecer aos traders e investidores uma compreensão completa de quais ativos e negócios podem ser lucrativos. A maioria dos participantes de muitos dos mercados tradicionais e de criptomoedas prefere utilizar a FA e a TA em conjunto.
No entanto, com o surgimento dos mercados de criptomoedas, você deve saber que o FA pode não ser tão eficaz. Sempre faça sua própria pesquisa (DYOR) e procure usar uma estratégia sólida de gerenciamento de riscos.