Bitcoin e o Modelo Stock-to-Flow
Tabela de Conteúdos
O que é o modelo Stock-to-Flow?
Qual é a relação Stock-to-Flow do ouro?
Stock-to-Flow e o Bitcoin
Qual é a relação Stock-to-Flow do Bitcoin?
As limitações do modelo Stock-to-Flow
Considerações finais
Bitcoin e o Modelo Stock-to-Flow
Página InicialArtigos
Bitcoin e o Modelo Stock-to-Flow

Bitcoin e o Modelo Stock-to-Flow

Intermediário
Publicado em Apr 13, 2020Atualizado em Apr 28, 2022
6m

O que é o modelo Stock-to-Flow?

Basicamente, o modelo Stock-to-Flow (SF ou S2F) é uma forma de medir a abundância de um determinado recurso. A relação Stock-to-Flow é a divisão da quantidade de um recurso mantido em reservas pela quantidade produzida anualmente.

O modelo Stock-to-Flow é geralmente aplicado a recursos naturais. Vamos usar o exemplo do ouro. Embora as estimativas possam variar, o Conselho Mundial do Ouro estima que já foram extraídas cerca de 190.000 toneladas de ouro. Essa quantia (ou seja, o fornecimento total) é o que podemos denominar como stock (estoque). São mineradas cerca de 2.500-3.200 toneladas de ouro a cada ano. Esse valor é o que chamamos de flow (fluxo).

Podemos calcular a relação Stock-to-Flow usando essas duas métricas. Mas o que isso significa, de fato? Essencialmente, esse valor representa a oferta, de um determinado recurso, que entra no mercado (anualmente) em relação ao seu fornecimento total. Quanto mais alto for o índice Stock-to-Flow, menos ofertas novas entram no mercado, em relação ao fornecimento total. Sendo assim, um ativo com uma relação Stock-to-Flow mais alta deve, teoricamente, reter seu valor a longo prazo.

Por outro lado, bens de consumo e commodities industriais normalmente terão uma relação Stock-to-Flow mais baixa. Por que? Normalmente, o valor desses produtos vem de seu consumo/destruição, portanto os inventários (estoques) geralmente cobrem apenas a demanda do mercado. Esses recursos não têm necessariamente um alto valor como reserva, por isso não costumam atuar como ativos de investimento. Em alguns casos excepcionais, o preço pode subir rapidamente se houver uma previsão de escassez futura. Caso contrário, a produção acompanha a demanda.

É importante notar que a escassez por si só não indica necessariamente que um recurso é valioso. O ouro, por exemplo, não é assim tão raro – afinal, já foram extraídas 190.000 toneladas! A relação Stock-to-Flow sugere que ele é valioso porque a produção anual, em comparação com o estoque existente, é relativamente pequena e constante.


Qual é a relação Stock-to-Flow do ouro?

Historicamente, o ouro tem mantido a maior relação Stock-to-Flow dos metais preciosos. Mas qual é o valor exato? Retomando nosso exemplo anterior – dividimos o fornecimento total de 190.000 toneladas por 3.200 e obtemos uma relação Stock-to-Flow de ~59. Isso indica que, com a taxa atual de produção, levaria cerca de 59 anos para extrair 190.000 toneladas de ouro.
No entanto, vale lembrar que o valor de "novo ouro" extraído a cada ano é apenas uma estimativa. Se aumentarmos a produção anual (o fluxo) para 3.500, a relação Stock-to-Flow cai para ~54.
Já que estamos falando disso, por que não calcular o valor total de todo o ouro extraído? Isso, de certa forma, pode ser comparado à capitalização de mercado das criptomoedas. Se considerarmos o preço de cerca de US$ 1.500 por onça-troy de ouro, o valor total chega a cerca de US$ 9 trilhões. Parece muito, mas, na verdade, se juntarmos todo o ouro em um cubo maciço, ele caberia em um único estádio de futebol!
No caso do Bitcoin, o valor mais alto da rede foi de cerca de US$ 1,1 trilhão, em abril de 2021. No momento de confecção deste artigo, o valor oscila em torno dos US$ 900 bilhões.


Stock-to-Flow e o Bitcoin

Se você entende como funciona o Bitcoin, não será difícil de entender por que o uso do modelo Stock-to-Flow pode fazer sentido. Essencialmente, o modelo trata bitcoins como commodities escassas, como ouro ou prata.
O ouro e a prata costumam ser classificados como recursos de reserva de valor. Teoricamente, eles devem reter seu valor a longo prazo devido à sua relativa escassez e baixo fluxo. Além disso, é muito difícil que ocorra um aumento significativo do fornecimento em um curto período de tempo.
De acordo com os defensores do modelo Stock-to-Flow, o Bitcoin é um recurso semelhante. Ele é escasso, tem um custo relativamente alto de produção e seu fornecimento máximo é limitado a 21 milhões de moedas. Além disso, a emissão de Bitcoin é definida por um protocolo, o que torna o fluxo completamente previsível. Talvez você já tenha ouvido falar dos eventos de halving do Bitcoin, onde a quantidade de novos bitcoins emitidos é reduzida pela metade a cada 210.000 blocos (aproximadamente quatro anos).


Fornecimento Total de BTC Minerado (%) e Subsídio de Bloco (BTC).


De acordo com os proponentes desse modelo, essas propriedades combinadas criam um recurso digital escasso com características extremamente atraentes, que favorecem a retenção de valor a longo prazo. Além disso, eles assumem que existe uma relação estatisticamente significativa entre o Stock-to-Flow e o valor de mercado. De acordo com as projeções do modelo, o preço do Bitcoin terá um enorme aumento ao longo do tempo, devido à redução contínua da relação Stock-to-Flow.

A aplicação do modelo Stock-to-Flow ao Bitcoin é frequentemente atribuída ao PlanB e seu artigo Modelando o Valor do Bitcoin através da Escassez.


Qual é a relação Stock-to-Flow do Bitcoin?

O atual fornecimento em circulação do Bitcoin é de aproximadamente 18 milhões de bitcoins e a emissão de novas moedas é de aproximadamente 0,7 milhão por ano. Em abril de 2020, a relação Stock-to-Flow era de cerca de 25. Após o halving de maio de 2020, a relação aumentou para a casa dos 50.
Na imagem abaixo, podemos ver a relação da média móvel de 365 dias do Stock-to-Flow do Bitcoin com seu preço. No eixo vertical, estão indicadas as datas dos halvings do Bitcoin.


Modelo Stock-to-Flow para o Bitcoin. Fonte: LookIntoBitcoin.com




Quer começar a investir em criptomoedas? Compre Bitcoin na Binance!




As limitações do modelo Stock-to-Flow

Embora o Stock-to-Flow seja um modelo interessante para medir a escassez, ele não considera todos os aspectos relevantes. Os modelos são tão eficientes quanto as suas suposições. Por um lado, o Stock-to-Flow baseia-se no pressuposto de que a escassez, medida pelo modelo, deve impulsionar o valor. Os críticos do Stock-to-Flow afirmam que este modelo é inválido se o Bitcoin não tiver outras qualidades úteis além da escassez de oferta.

A escassez, o fluxo previsível e a liquidez global do ouro o tornaram uma reserva de valor relativamente estável em comparação com as moedas fiduciárias, que estão sujeitas à desvalorização.

De acordo com este modelo, a volatilidade do Bitcoin também deve diminuir ao longo do tempo. Isso é confirmado por dados históricos da Coinmetrics.


 
Média Móvel de 200 dias para a Volatilidade do Bitcoin em 180 dias. Fonte: Coinmetrics.io


A avaliação de um ativo deve considerar a sua volatilidade. Se a volatilidade for previsível até certo ponto, o modelo de avaliação pode ser mais confiável. No entanto, o Bitcoin costuma apresentar grandes movimentos de preços.

Embora a volatilidade possa estar diminuindo, o Bitcoin foi precificado em um mercado livre, desde a sua criação. Isso significa que o preço é definido principalmente no mercado aberto, por usuários, traders e especuladores. Combinando isso com uma liquidez relativamente baixa, é provável que o Bitcoin esteja mais exposto a picos repentinos de volatilidade do que outros ativos. Portanto, é possível que o modelo não consiga acompanhar esse comportamento.
Outros fatores externos, como eventos Black Swan, também podem prejudicar a eficiência deste modelo. É importante notar que o mesmo se aplica a essencialmente qualquer modelo que tenta prever o preço de um ativo com base em dados históricos. Por definição, um evento Black Swan possui um elemento surpresa. Dados históricos não são capazes de prever eventos desconhecidos.


Considerações finais

O modelo Stock-to-Flow mede a relação entre o estoque atualmente disponível de um recurso e a sua taxa de produção. O modelo é normalmente aplicado a metais preciosos e outras commodities, mas muitos argumentam que sua aplicação também é válida para o Bitcoin. 

Nesse sentido, o Bitcoin pode ser visto como um recurso digital escasso. De acordo com esse método de análise, as proposições exclusivas do Bitcoin devem torná-lo um ativo que retém seu valor a longo prazo. 

No entanto, a eficiência de cada modelo é tão forte quanto suas suposições. Talvez não seja possível considerar todos os aspectos relacionados ao valor do Bitcoin. Além disso, no momento de criação deste este artigo, o Bitcoin existe há pouco mais de dez anos. Alguns argumentam que os modelos de avaliação a longo prazo, como o Stock-to-Flow, precisam de um conjunto de dados maior para oferecer resultados mais precisos e confiáveis.