O que é Staking?
Índice
Introdução
O que é Proof of Stake (PoS)?
Quem criou o Proof of Stake?
O que é Delegated Proof of Stake (DPoS)?
Como o staking funciona?
Como são calculadas as recompensas de staking?
O que é uma staking pool?
O que é cold staking?
Como fazer staking na Binance
Considerações finais
O que é Staking?
InícioArtigos
O que é Staking?

O que é Staking?

Intermediário
Published Sep 22, 2019Updated May 14, 2021
8m

Conteúdo


Introdução

Você pode pensar em staking como uma alternativa de  mineração que requer menos recursos. O staking é a manutenção de fundos (holding) em uma carteira de criptomoedas para apoiar a segurança e as operações de uma rede blockchain. Simplificando, fazer staking é o ato de manter criptomoedas bloqueadas em uma rede para receber recompensas.
Na maioria dos casos, você poderá fazer stake de suas moedas diretamente na sua carteira cripto, como a Trust Wallet. Por outro lado, muitas corretoras oferecem serviços de staking aos usuários. A  Binance Staking permite que você ganhe recompensas de uma maneira muito simples – tudo o que você precisa fazer é manter suas moedas na corretora. Falaremos mais sobre isso em breve.
Para entender melhor o que é staking, primeiro você precisa entender como o Proof of Stake (PoS) funciona. O PoS é um mecanismo de consenso que permite que as blockchains operem com mais eficiência energética, mantendo um grau decente de descentralização (teoricamente). Vamos discutir a definição de PoS e como funciona a aplicação do staking.


O que é Proof of Stake (PoS)?

Se você sabe como o Bitcoin funciona, entender o Proof of Work (PoW) não será um desafio. É o mecanismo que permite que as transações sejam reunidas em blocos. Em seguida, esses blocos são vinculados uns aos outros, para criar a blockchain. Mais especificamente, os mineradores competem para solucionar um quebra-cabeça matemático complexo. Quem encontrar a solução primeiro, tem o direito de adicionar o próximo bloco à blockchain.
O Proof of Work provou ser um mecanismo muito robusto que facilita a obtenção de consenso de forma descentralizada. O problema é que ele envolve muita computação arbitrária. O quebra-cabeça que os mineradores estão competindo para solucionar não tem outro objetivo senão manter a rede segura. Alguns podem argumentar que isso por si só, já justifica o excesso de poder computacional. Nesse ponto, você deve estar se perguntando: existem outras maneiras de manter um consenso descentralizado sem o alto custo computacional?
É aqui que entra o Proof of Stake. A ideia é que os participantes possam manter moedas bloqueadas (seu valor de “stake”) e, a intervalos específicos, o protocolo atribui aleatoriamente a um deles, o direito de validar o próximo bloco. Geralmente, a probabilidade de um usuário ser selecionado para validação, é proporcional à quantidade de moedas em stake – quanto mais moedas, maior a probabilidade.



Sendo assim, o que determina quais participantes podem criar um bloco não depende da capacidade de solucionar desafios de hash, como acontece no sistema Proof of Work. O fator determinante é a quantidade de moedas em staking que o usuário possui (holding).
Pode-se argumentar que a produção de blocos por meio de staking, permite um maior grau de escalabilidade ás blockchains. Essa é uma das razões pelas quais a rede Ethereum planeja migrar de PoW para PoS, através de um conjunto de atualizações técnicas conhecidas como ETH 2.0.


Quem criou o Proof of Stake?

Uma das primeiras aparições do Proof of Stake pode ser atribuída a Sunny King e Scott Nadal na publicação de 2012 da Peercoin. Eles a descrevem como um design de criptomoeda “peer-to-peer, derivada do Bitcoin de Satoshi Nakamoto.
A rede Peercoin foi lançada com um mecanismo híbrido PoW/PoS, onde o PoW foi usado principalmente para o fornecimento inicial. No entanto, não era necessário para a sustentabilidade da rede a longo prazo e sua importância foi gradualmente reduzida. Na realidade, a maior parte da segurança da rede dependia do mecanismo PoS.


O que é Delegated Proof of Stake (DPoS)?

Uma versão alternativa desse mecanismo foi desenvolvida em 2014 por Daniel Larimer, nomeada Delegated Proof of Stake (DPoS). Esse mecanismo usado pela primeira vez como parte da blockchain BitShares, mas posteriormente, outras redes adotaram o modelo, incluindo as redes Steem e EOS, que também foram criadas por Larimer.

O DPoS permite que os usuários utilizem seus saldos de moedas como votos, onde o poder de voto é proporcional ao número de moedas. Esses votos são usados para eleger um número de "delegados" que gerenciam a blockchain em nome de seus eleitores, garantindo segurança e consenso. Normalmente, as recompensas de staking são distribuídas a esses "delegados eleitos", que depois distribuem parte das recompensas aos eleitores, proporcionalmente às contribuições individuais de cada um.

O modelo DPoS permite obter consenso com um número menor de nodes (nós) de validação. Sendo assim, a tendência é de melhora no desempenho da rede. Por outro lado, também pode resultar em um grau de descentralização menor, pois a rede depende de um pequeno grupo selecionado de  nodes validadores. Esses nodes de validação lidam com as operações e com a governança geral da blockchain. Eles participam dos processos de obtenção de consenso e definição d os principais parâmetros de governança

Resumidamente, o DPoS permite que os usuários exerçam sua influência através de outros participantes da rede.


Como o staking funciona?

Conforme mencionado anteriormente, blockchains Proof of Work dependem da mineração para adicionar novos blocos à blockchain. Por outro lado, as que usam Proof of Stake produzem e validam novos blocos através do processo de staking. O staking envolve validadores que bloqueiam suas moedas na rede para ter chance de serem selecionados, aleatoriamente, pelo protocolo para criação de um bloco. Geralmente, os usuários que fazem staking de maiores quantias, têm mais chance de serem escolhidos como validadores de bloco.
Isso permite que os blocos sejam produzidos sem depender de hardwares especializados para mineração, como os ASICs. Enquanto a mineração ASIC exige um investimento significativo em hardware, o staking requer um investimento direto na própria criptomoeda. Portanto, em vez de competir pelo próximo bloco usando poder computacional, os validadores de PoS são selecionados com base no número de moedas que usaram como valor de staking. O“stake” (valor bloqueado em moedas) é o que incentiva os validadores a manter a segurança da rede. Caso não consigam, o seu valor de stake pode ser perdido.

Embora cada blockchain Proof of Stake tenha sua moeda específica para staking, algumas redes adotam um sistema de dois tokens, onde as recompensas são pagas com um token secundário.

Em um nível mais prático, staking significa manutenção de fundos em uma carteira. Isso permite que qualquer pessoa possa executar diversas funções de rede em troca de recompensas de staking. Existem também, situações em que os fundos são adicionados a uma pool de staking, que abordaremos em breve.


Como são calculadas as recompensas de staking?

Não existe uma resposta simples para essa pergunta. Cada rede blockchain pode escolher um método diferente para calcular as recompensas de staking.

Algumas são ajustadas de bloco em bloco, levando em consideração diversos fatores como:

  • quantas moedas o validador possui em staking 
  • por quanto tempo o validador está fazendo staking ativamente
  • o total de moedas em stake na rede 
  • a taxa de inflação
  • outros fatores
Para algumas outras redes, as recompensas de staking são determinadas como uma porcentagem fixa. Essas recompensas são distribuídas aos validadores como uma espécie de compensação pela inflação. A inflação incentiva os usuários a gastar suas moedas em vez de guardá-las, o que pode aumentar sua utilidade como criptomoeda. Porém, com esse modelo, os validadores podem calcular o valor exato da recompensa de staking esperada.
Um cronograma de recompensa previsível, no lugar de uma chance probabilística de receber uma recompensa de bloco, pode ser mais atrativo para alguns usuários. E como se trata de uma informação pública, pode haver um incentivo maior para atividades staking. 


O que é uma staking pool?

Uma staking pool é um grupo de detentores de moedas (holders) que unem seus recursos para aumentar as chances de validação de blocos e receber recompensas. Eles combinam seu poder de staking e compartilham as recompensas de acordo com as suas contribuições para a pool, que é basicamente o valor total arrecadado.

A criação e manutenção de uma staking pool geralmente exige muito tempo e conhecimento. Elas tendem a ser mais eficazes em redes em que a barreira de entrada (técnica ou financeira) é relativamente alta. Sendo assim, muitos provedores de pools cobram uma taxa pelas recompensas de staking distribuídas aos participantes.

Fora isso, as pools podem proporcionar uma flexibilidade adicional aos stakers individuais. Geralmente, o valor de stake deve ser bloqueado por um período fixo e possui uma data definida para saque ou desacoplamento, que é definida pelo protocolo. Além disso, quase sempre existe um saldo mínimo necessário para staking, o que desencoraja comportamentos maliciosos.

A maioria das staking pools requer um saldo mínimo baixo e não impõe restrições de tempo para saques. Ou seja, participar de uma staking pool em vez de fazer staking sozinho, pode ser ideal para usuários mais novos.


O que é cold staking?

Cold staking se refere ao processo de staking em uma  carteira que não está conectada à Internet. Isso pode ser feito usando uma carteira de hardware, mas também é possível com uma carteira de software air-gapped.

Redes com suporte para cold staking permitem que os usuários façam staking enquanto mantêm seus fundos seguros offline. Vale notar que se o stakeholder remover suas moedas do armazenamento (cold storage), ele deixará de receber recompensas.

O cold staking é particularmente útil para stakeholders de grandes quantias que desejam assegurar a máxima proteção de seus fundos, ao mesmo tempo que participam e dão suporte ao funcionamento da rede.



Pensando em investir em criptomoedas? Compre Bitcoin na Binance!



Como fazer staking na Binance

Você pode considerar a manutenção de suas moedas na Binance como uma participação em uma staking pool. No entanto, a Binance não cobra taxas e você ainda pode aproveitar de todos os benefícios que o holding de moedas na Binance proporciona!

A única coisa que você precisa fazer é manter suas moedas PoS na Binance e cuidaremos de toda a parte técnica para você. As recompensas de staking costumam ser distribuídas no início de cada mês. 

Alguns dos ativos com suporte para staking incluem EOSTezos (XTZ)Cosmos (ATOM)TRONNEOAlgorand (ALGO)Vechain (VET)Ontology (ONT)Komodo (KMD)TROYFetch.aiQTUM e muitos outros!

Você pode consultar as recompensas distribuídas anteriormente para cada moeda através do Histórico de Rendimentos de cada projeto, na página de staking.


Considerações finais

O Proof of Stake e o staking abrem muitas possibilidades para qualquer usuário que deseja participar dos processos de obtenção de consenso e da governança de blockchains. Além disso, é uma maneira muito fácil de obter renda passiva através do simples armazenamento de moedas. Conforme o processo de staking fica mais fácil, as barreiras de entrada ao ecossistema blockchain ficam cada vez menores.
Vale lembrar, porém, que a atividade de staking não é totalmente isenta de riscos. Bloquear fundos em um contrato inteligente é suscetível a erros e bugs, por isso é sempre importante pesquisar (DYOR, Do Your Own Research) e usar carteiras confiáveis e de qualidade, como a Trust Wallet
Não se esqueça de conferir nossa página de staking para se informar sobre as moedas suportadas. Comece a ganhar recompensas hoje mesmo!