O que é Estagflação?
Tabela de Conteúdos
Introdução
O que é estagflação?
Estagflação x inflação
Por que ocorre a estagflação?
Como combater a estagflação?
Como a estagflação pode afetar o mercado de criptomoedas?
Estagflação na crise do petróleo de 1973
Conclusão
O que é Estagflação?
Página InicialArtigos
O que é Estagflação?

O que é Estagflação?

Iniciante
Publicado em May 20, 2022Atualizado em Jun 8, 2022
7m

TL;DR

A estagflação ocorre quando uma economia apresenta altas taxas de desemprego combinadas com a estagnação ou crescimento negativo (recessão) e o aumento de preços (inflação). Existem estratégias para combater a recessão e a inflação individualmente, mas como se tratam de efeitos conflitantes, a combinação de ambos dificulta o controle da estagflação.


Introdução

Por um lado, a estagnação econômica ou o recessão podem ser resolvidos aumentando a oferta monetária, através de empréstimos mais baratos para empresas (taxas de juros mais baixas). Mais dinheiro disponível gera crescimento econômico e aumento nas taxas de emprego, o que pode efetivamente afastar ou combater uma recessão.

Por outro lado, economistas e governantes muitas vezes tentam controlar a inflação crescente através da redução da oferta monetária para desacelerar a economia. Isso pode ser feito aumentando as taxas de juros, ou seja, fazendo com que seja mais caro solicitar empréstimos. Empresas e consumidores solicitam menos empréstimos e gastam menos. Sendo assim, a demanda reduzida faz com que os preços parem de subir.

No entanto, quando uma economia apresenta estagflação, temos o pior dos dois lados: uma recessão econômica combinada com altas taxas de inflação. Vamos ver mais detalhes sobre a estagflação, suas causas mais comuns e possíveis soluções.


O que é estagflação?

A estagflação é um conceito macroeconômico mencionado pela primeira vez em 1965 por Iain Macleod, um ex-político e Chanceler britânico. O nome é uma combinação dos termos estagnação e inflação e descreve uma economia com crescimento econômico mínimo ou negativo (recessão) e altas taxas de desemprego combinado a aumento dos preços ao consumidor (inflação).

As medidas usualmente adotadas para combater cada uma dessas condições individualmente podem piorar a outra. Por isso, lidar com a estagflação é um desafio para o governo ou banco central. Normalmente, altas taxas de emprego e alto crescimento se correlacionam positivamente com a inflação, mas esse não é o caso da estagflação. 

O crescimento econômico é normalmente avaliado pelo produto interno bruto (PIB) de um país, que está diretamente relacionado às taxas de emprego. Quando o PIB não apresenta bom desempenho e a inflação está subindo, uma grave estagflação pode gerar uma crise financeira ainda maior.


Estagflação x inflação

A estagflação, como vimos, é a combinação da inflação e da estagnação econômica ou crescimento negativo (recessão). Embora a inflação possa ser definida de diferentes maneiras, muitas vezes ela se refere a um aumento nos preços de bens e serviços. Também podemos descrever a inflação como uma diminuição no poder de compra de uma moeda. 


Por que ocorre a estagflação?

Em suma, a estagflação ocorre quando o poder de compra da moeda diminui ao mesmo tempo em que a economia desacelera e a oferta de bens e serviços diminui. As causas da estagflação variam dependendo do contexto histórico e das diferentes perspectivas econômicas. Existem várias teorias e opiniões que explicam a estagflação de formas diferentes, incluindo os modelos monetarista, keynesiano e os novos modelos clássicos. Vamos ver alguns exemplos.

Divergências entre as políticas fiscal e monetária

Os bancos centrais, como o Federal Reserve dos EUA, gerenciam a oferta de dinheiro para intervir na economia. Essas medidas de controle são conhecidas como política monetária. Os governos também influenciam a economia diretamente com despesas e políticas tributárias conhecidas como política fiscal. No entanto, a combinação conflitante das políticas fiscal e monetária pode gerar uma inflação descontrolada e um crescimento econômico lento. Qualquer combinação de políticas que reduzam as despesas do consumidor enquanto aumentam o dinheiro em circulação, pode gerar estagflação.
Por exemplo, um governo pode aumentar os impostos, diminuindo a renda disponível de sua população. Ao mesmo tempo, é possível que o banco central simultaneamente adote a estratégia de flexibilização quantitativa ("impressão de dinheiro") ou reduza as taxas de juros. A política do governo afetará negativamente o crescimento econômico, enquanto o banco central provocará um aumento na oferta da moeda, o que frequentemente gera inflação.

A introdução da moeda fiduciária

Anteriormente, a maioria das principais economias atrelava suas moedas (lastro) a uma certa quantidade de ouro. Esse mecanismo era conhecido como padrão-ouro, mas foi abandonado após a Segunda Guerra Mundial. A remoção do padrão-ouro e sua substituição pela moeda fiduciária removeu quaisquer limites no que diz respeito ao fornecimento de dinheiro. Embora isso facilite o trabalho dos bancos centrais no controle da economia, também aumenta o risco de prejudicar os níveis de inflação, provocando um aumento nos preços.

Aumentos nos custos de fornecimento

Um aumento acentuado nos custos de produção de bens e serviços também pode causar estagflação. Essa relação é especialmente verdadeira para o setor de energia e é conhecida como choque de oferta. Os consumidores também sofrem com o aumento dos custos de energia, normalmente decorrente das altas do preço do petróleo.

Se os custo de produção de bens são mais altos, os preços sobem. Logo, os consumidores têm menos renda disponível devido ao encarecimento da energia, transporte e outros serviços relacionados a energia. Com isso, a probabilidade de estagflação é maior.


Como combater a estagflação?

O combate à estagflação é feito através das políticas fiscal e monetária. No entanto, as medidas exatas adotadas por essas políticas, dependem da escola de pensamento econômico. 

Monetarismo

Os monetaristas (economistas que acreditam que o controle da oferta de dinheiro é o aspecto mais importante) argumentam que a inflação é o fator mais crucial a ser controlado. 

Nesse cenário, um monetarista reduziria primeiro a oferta monetária, provocando uma redução nos gastos gerais. Isso diminuiria a demanda e causaria uma queda nos preços de bens e serviços. A desvantagem, no entanto, é que essa política não incentiva o crescimento. O crescimento teria de ser enfrentado mais tarde, através da combinação de uma política monetária mais "frouxa" e flexível com uma política fiscal.

Economia pelo lado da oferta

A economia pelo lado da oferta é outra escola de pensamento. Como o nome sugere, o foco é aumentar a oferta na economia, reduzindo custos e melhorando a eficiência. Controle dos preços de energia (se possível), investimentos em eficiência e subsídios à produção ajudarão a reduzir os custos e aumentar a oferta agregada de bens e serviços. Isso reduz os preços ao consumidor, estimula a produção econômica e reduz o desemprego.

Solução de livre mercado

Alguns economistas acreditam que a melhor medida para sanar a estagflação é deixá-la ao livre mercado. A alta dos preços será eventualmente contida pela oferta e a demanda, já que o consumidor não pode pagar pelos bens e serviços. Com isso, haverá redução da demanda e da inflação. 

O livre mercado também alocará a mão de obra de maneira eficiente e reduzirá o desemprego. No entanto, esse plano pode levar anos ou até décadas para funcionar, muitas vezes deixando a população em condições precárias e desfavoráveis. Como disse Keynes: "a longo prazo, estaremos todos mortos".


Como a estagflação pode afetar o mercado de criptomoedas?

É difícil definir os efeitos exatos da estagflação no mercado de criptomoedas. Entretanto, podemos fazer algumas suposições básicas se presumirmos que outras condições de mercado permanecem as mesmas.

Crescimento mínimo ou negativo

Em uma economia que cresce muito pouco ou está em recessão, os níveis de renda ficam estagnados ou até sofrem reduções com o tempo. Nesse caso, os consumidores têm cada vez menos dinheiro para investir. Isso possivelmente provocará uma redução na compra de criptomoedas e um aumento nas vendas, pois os investidores individuais precisam de dinheiro para pagar as suas despesas diárias. O crescimento econômico lento ou negativo também incentiva os grandes investidores a reduzir sua exposição a ativos de maior risco, incluindo ações e criptomoedas.

Medidas do governo contra a estagflação

Normalmente, um governo tentará controlar a inflação primeiro e buscará, depois, lidar com os problemas de crescimento econômico e desemprego. A inflação pode ser controlada pela redução da oferta monetária. Um dos métodos é o aumento nas taxas de juros.

Isso reduz a liquidez, pois as pessoas mantêm seu dinheiro nos bancos e os empréstimos ficam mais caros. Com o aumento das taxas, os investimentos de alto risco e alto retorno são menos atraentes. Assim, as criptomoedas possivelmente terão uma redução na demanda e nos preços durante períodos de aumento das taxas de juros e menor oferta de crédito/dinheiro.

Após controlar a inflação, o governo provavelmente tentará estimular o crescimento econômico. Geralmente, isso é feito através da flexibilização quantitativa e da redução das taxas de juros. Nesse cenário, os efeitos nos mercados de criptomoedas provavelmente serão positivos devido ao aumento da oferta monetária.

Aumento da inflação

Muitos investidores argumentam que o Bitcoin oferece uma boa estratégia de hedge (cobertura) contra o aumento das taxas de inflação. Com uma inflação mais alta e crescente, manter seu patrimônio em moedas fiduciárias, sem gerar juros, reduz seu valor real. Para evitar isso, muitos recorreram ao Bitcoin, visando preservar seu poder de compra a longo prazo e também obter lucros. Isso porque os investidores veem o BTC como uma boa reserva de valor, graças à sua emissão e fornecimento limitados.

Historicamente, essa estratégia de hedge pode ter funcionado para investidores que acumularam Bitcoin e outras criptomoedas ao longo dos anos. Especialmente, durante ou após períodos de inflação e de crescimento econômico. No entanto, usar criptomoedas como proteção contra a inflação pode não funcionar tão bem em prazos mais curtos, principalmente durante períodos de estagflação. Também vale notar que existem outros fatores em jogo, como o aumento da correlação entre os mercados de ações e de criptomoedas.


Estagflação na crise do petróleo de 1973

Em 1973, a Organização dos Países Árabes Exportadores de Petróleo (OPEP) declarou um embargo de petróleo a um determinado grupo de países. Esta decisão foi uma reação ao apoio desses países a Israel na guerra de Yom Kippur. Com uma diminuição drástica na oferta, os preços do petróleo subiram, provocando escassez na cadeia de suprimentos e aumento de preços para o consumidor. Isso gerou um grande aumento na taxa de inflação.

Em países como os EUA e o Reino Unido, os bancos centrais reduzem as taxas de juros para estimular o crescimento de suas economias. Com as taxas de juros mais baixas os empréstimos ficam mais baratos, logo os consumidores têm mais incentivos para gastar do que economizar. Mas o mecanismo normalmente utilizado para redução da inflação é o aumento das taxas de juros, que incentiva os consumidores a economizar.

Como os custos do petróleo e de energia representam boa parte dos gastos do consumidor e a alta nas taxas de juros não estimulam o crescimento suficientemente, muitas economias ocidentais apresentam altas taxas de inflação e uma economia estagnada.


Conclusão

A estagflação é uma situação peculiar para economistas e governantes, pois a inflação e a recessão, geralmente, não ocorrem simultaneamente. As ferramentas para combater a estagnação muitas vezes causam inflação, enquanto as estratégias para controle de inflação podem levar a um crescimento econômico lento ou negativo, isto é, à recessão. Sendo assim, em períodos de estagflação, vale a pena considerar o contexto macroeconômico e seus múltiplos fatores, como oferta da moeda, taxas de juros, oferta e demanda e taxa de desemprego.