O Bitcoin é uma Reserva de Valor?
Índice
Introdução
O que é reserva de valor?
O que constitui uma boa reserva de valor?
Aspectos favoráveis à classificação do Bitcoin como reserva de valor
Aspectos contrários à classificação do Bitcoin como reserva de valor
Considerações finais
O Bitcoin é uma Reserva de Valor?
InícioArtigos
O Bitcoin é uma Reserva de Valor?

O Bitcoin é uma Reserva de Valor?

Intermediário
Published Apr 15, 2020Updated Oct 19, 2021
14m

Introdução

Ao avaliar um ativo como "porto-seguro", geralmente pensamos em metais preciosos como ouro ou prata. Esses são tipos de investimento muito usados como proteção contra a turbulência nos mercados tradicionais.

Discussões sobre o Bitcoin seguir ou não os padrões desses ativos continuam intensos. Neste artigo, veremos alguns dos principais argumentos a favor e contra a classificação do Bitcoin como reserva de valor.


O que é reserva de valor?

Uma reserva de valor é um ativo capaz de reter valor ao longo do tempo. Se você comprou uma boa reserva de valor hoje, logicamente acredita que seu valor não depreciará com o tempo. No futuro, você espera que o ativo tenha um valor maior (ou pelo menos equivalente).

Quando se fala de um ativo usado como “porto seguro”, geralmente pensamos em ouro ou prata. Há uma série de razões pelas quais esses ativos tradicionalmente têm valor. Falaremos em breve sobre elas.


O que constitui uma boa reserva de valor?

Para entender o que é uma boa reserva de valor, vamos primeiro imaginar o que pode ser uma reserva de valor ruim. Se quisermos que algo seja preservado por um longo período, é lógico que o item deve ser durável

Vamos considerar alimentos, por exemplo. Maçãs e bananas têm algum valor intrínseco, pois os humanos precisam de nutrição para viver. Em períodos de escassez de comida, esses itens serão, sem dúvida, muito valiosos. Mas isso não os torna uma boa reserva de valor. São itens que vão valer muito menos se você os mantiver em um cofre por anos, porque obviamente se degradarão.

E se considerarmos algo intrinsecamente valioso e também durável? Por exemplo, macarrão cru. A longo prazo, é melhor do que o exemplo anterior, mas ainda não há garantia de que tenha valor. A produção de massa é barata e oriunda de recursos disponíveis e abundantes. Qualquer mercado é capaz de abastecer seu estoque com mais macarrão, então o macarrão em circulação perderá valor à medida que a oferta supera a demanda. Portanto, para que um item mantenha seu valor, ele também deve ser escasso.
Alguns acreditam que moedas fiduciárias (dólares, euros, ienes) são uma boa maneira de armazenar riqueza, pois retém valor a longo prazo. Mas são, na verdade, reservas de valor ruins porque o poder de compra cai significativamente à medida que mais unidades são criadas (assim como no exemplo do macarrão). Você pode sacar suas economias de uma vida inteira e guardá-las embaixo do colchão por vinte anos, mas elas não terão o mesmo poder de compra quando você decidir gastá-las.
No ano 2000, $100.000 dólares podiam comprar muito mais do que hoje. Isso se deve principalmente à inflação, que se refere ao aumento do preço de bens e serviços. Em muitos casos, a inflação é causada por uma oferta excessiva de moeda fiduciária devido à emissão de dinheiro por parte do governo.

Para ilustrar, suponha que você detenha 25% da oferta total de US$ 100 bilhões – ou seja, US$ 25 bilhões. Após um período, o governo decide emitir mais US$ 800 bilhões para estimular a economia. Sua "fatia do bolo" de repente caiu para ~3%. Há muito mais dinheiro em circulação, então logicamente, o seu patrimônio não terá mais tanto poder de compra.


Perda do poder de compra ao longo do tempo.


Como no exemplo do macarrão mencionado anteriormente, a produção de dólares não é cara. O exemplo acima poderia acontecer em questão de dias. Considerando uma boa reserva de valor, inundar o mercado com novas unidades deve ser um grande desafio. Em outras palavras, a porcentagem da sua "fatia do bolo" deve diminuir muito lentamente.

Considerando o ouro como exemplo, sabemos que seu estoque é finito. Também sabemos que é muito difícil minerar ouro. Portanto, mesmo que a demanda por ouro aumente repentinamente, não é possível usar uma impressora de ouro para criar novas unidades. Ele deve ser extraído do solo, como sempre. Embora haja um influxo na demanda, não é possível aumentar substancialmente o fornecimento para atendê-la.


Aspectos favoráveis à classificação do Bitcoin como reserva de valor

Desde os primeiros dias do Bitcoin, os proponentes defenderam que a criptomoeda apresenta mais características de “ouro digital” do que de moeda digital. Nos últimos anos, essa narrativa foi repetida por muitos entusiastas do Bitcoin.

A tese da reserva de valor para o Bitcoin argumenta que ele é um dos ativos mais sólidos conhecidos pelo homem. Os proponentes da tese acreditam que o Bitcoin é a melhor maneira de armazenar riqueza de forma que não seja desvalorizada ao longo do tempo.

O Bitcoin também é conhecido por sua grande volatilidade. Talvez seja estranho pensar que um ativo que pode perder 20% de seu valor em um dia, seja considerado por muitos como reserva de valor. Mas, mesmo levando em consideração suas quedas, continua sendo a classe de ativos com melhor desempenho até o momento. 

Então, por que o Bitcoin foi considerado uma reserva de valor?


Escassez

Talvez um dos argumentos mais persuasivos em relação à ideia de reserva de valor seja que o Bitcoin tem um estoque finito. Como mencionamos em nosso artigo O que é Bitcoin?, nunca haverá mais de 21 milhões de bitcoins. Isso é garantido pelo protocolo com uma regra codificada. 
A única maneira de criar novas moedas é através do processo de mineração, que é de certa forma, análogo à mineração do ouro. Mas, em vez de perfurar a Terra, os mineradores de Bitcoin devem decifrar um quebra-cabeça criptográfico usando poder computacional. Ao concluir o processo de mineração, eles recebem novas moedas.
Com o passar do tempo, a recompensa diminui devido a eventos conhecidos como halvings. Os eventos de halving dividem a recompensa pela mineração de blocos pela metade. Nos primeiros dias do Bitcoin, o sistema recompensava 50 BTC para qualquer minerador que produzisse um bloco válido. Após o primeiro halving, a recompensa foi reduzida para 25 BTC. No halving subsequente, o valor foi para 12,5 BTC e o próximo reduzirá a recompensa dos mineradores para 6,25 bitcoins por bloco. Este processo continuará por mais 100 anos, até que a última fração de Bitcoin entre em circulação.
Vamos modelar isso de forma semelhante ao nosso exemplo anterior, de moeda fiduciária. Suponha que, há muitos anos, você comprou 25% do fornecimento total de Bitcoin (ou seja, 5.250.000 moedas). Quando você adquiriu essas moedas, você sabia que a sua porcentagem em relação ao total permaneceria a mesma, já que é impossível adicionar mais moedas ao sistema. Não existe a participação de um governo – bem, não no sentido tradicional (discutiremos isso em breve). Portanto, se você comprou e manteve (HODLing) 25% do fornecimento total em 2010, você ainda possui 25% atualmente.


Descentralização

É um software de código aberto, você pode estar pensando. Posso copiar o código e fazer minha própria versão com mais 100 milhões de moedas. 
Você realmente poderia fazer isso. Digamos que você clone o software, faça as alterações e execute um node. Tudo parece funcionar bem. Mas tem um problema: não existem outros nodes (nós) disponíveis para se conectar. Em outras palavras, assim que você mudou os parâmetros do seu software, os membros da rede Bitcoin passaram a ignorar a sua rede. Você sofreu um fork e o programa que você está executando não é mais o que é globalmente aceito como Bitcoin. 

O que você fez é essencialmente equivalente a tirar uma foto da Mona Lisa e afirmar que agora existem duas Mona Lisas. Você pode até estar convencido da autenticidade de sua cópia, mas boa sorte tentando convencer mais alguém.

Mencionamos a existência de uma espécie de governo no sistema do Bitcoin. O papel de "governo" é realizado por cada usuário que executa o software. A única forma de alterar o protocolo é se a maioria dos usuários concordar com as alterações.

Convencer a maioria a adicionar mais moedas não seria uma tarefa fácil – afinal, seria efetivamente um pedido para que os usuários reduzissem o valor de seus próprios patrimônios (holdings). Atualmente, mesmo recursos aparentemente insignificantes levam anos para chegar a um consenso de toda a rede.

À medida que a rede cresce, a dificuldade para propor mudanças na rede aumenta. Os detentores (holders) podem, portanto, estar confiantes de que não haverá uma inflação em relação ao fornecimento. Embora o software seja feito pelo homem, a descentralização da rede faz com que o Bitcoin atue mais como um recurso natural do que como um código que pode ser alterado arbitrariamente.


As propriedades de um bom dinheiro

Os que defendem a tese da reserva de valor também apontam para características do Bitcoin que o tornam um "bom dinheiro". Ele não é apenas um recurso digital escasso. O Bitcoin também compartilha características que, no que diz respeito ao uso de moedas, foram tradicionalmente adotadas por séculos.

O ouro tem sido usado como dinheiro por várias civilizações, desde a sua descoberta. Existem várias razões para isso. Já falamos sobre durabilidade e escassez. São características de bons ativos, mas não necessariamente de boas formas de moeda. Para isso, as propriedades desejadas são fungibilidade, portabilidade e divisibilidade.


Fungibilidade

Fungibilidade significa que as unidades são indistinguíveis. No caso do ouro, quaisquer duas onças de ouro terão o mesmo valor. Isso também vale para ações e dinheiro. Não importa qual unidade do ativo você tem em mãos – ela terá um valor igual a qualquer outra do mesmo tipo.

A fungibilidade do Bitcoin é um assunto complicado. Realmente não deveria importar qual unidade da moeda você tem. Na grande maioria dos casos, 1 BTC = 1 BTC. As coisas ficam complicadas quando você considera que cada unidade está vinculada a transações anteriores. Existem casos de empresas que categorizam fundos como proibidos, pois acreditam serem provenientes de atividades criminosas, mesmo que o titular os tenha recebido posteriormente.

isso deveria ter importância? É difícil pensar em um motivo convincente. Quando você paga por algo com uma nota de um dólar, nem você nem o comerciante sabem o histórico daquela nota. Para moedas fiduciárias, não existe o conceito de histórico de transações – notas novas não valem mais do que as usadas.

Na pior das hipóteses, no entanto, existe a possibilidade de que bitcoins mais antigos (com mais transações no histórico) sejam vendidos por menos que bitcoins emitidos recentemente. Existem opiniões muito distintas em relação a isso. Para alguns, esse cenário pode ser uma grande ameaça ao Bitcoin. Para outros, é algo irrelevante. De qualquer forma, por enquanto o Bitcoin é classificado como funcionalmente fungível. Foram poucos incidentes isolados que provocaram o congelamento de moedas devido a um histórico suspeito de transações.


Portabilidade

A portabilidade denota a facilidade de transporte de um ativo. $10.000 em notas de $100? Fácil de transferir ou movimentar. $10.000 em petróleo? Não é tão simples.

Uma boa moeda precisa ter um fator de forma pequeno. É importante que seja fácil de transportar, para que todos possam pagar uns aos outros por bens e serviços.

Nesse aspecto, o ouro tem sido tradicionalmente excelente. No momento de confecção deste artigo, uma moeda de ouro padrão vale quase US$ 1.500. É improvável que você faça compras no valor de 1 onça de ouro. Portanto, medidas menores ocupam ainda menos espaço. 

O Bitcoin é realmente superior aos metais preciosos quando se trata de portabilidade. Não há um registro ou espécie de impressão digital física. Você pode armazenar bilhões de dólares em um dispositivo de hardware que cabe na palma da sua mão.

Mover um bilhão de dólares em ouro (mais de 20 toneladas atualmente) requer muito esforço e envolve muitas despesas. Mesmo no caso de dinheiro, seriam necessários vários paletes de notas de $100. Com o Bitcoin, é possível enviar a mesma quantia para qualquer lugar do mundo por menos de um dólar.


Divisibilidade

Outra qualidade vital da moeda é sua divisibilidade – ou seja, a capacidade de dividi-la em unidades menores. No caso do ouro, você pode cortar uma moeda de 1 onça ao meio, obtendo duas moedas de meia onça. Podemos até considerar uma possível perda de valor caso você corte uma bela moeda de ouro com desenho de águia ou búfalo. Mas, essencialmente, o valor do ouro permanece o mesmo. Você pode cortar sua moeda de meia onça repetidamente, produzindo porções menores de ouro.

A divisibilidade é outra área em que o Bitcoin se destaca. Existem apenas 21 milhões de moedas, mas cada uma é composta por 100 milhões de unidades menores (satoshis). Isso fornece aos usuários grande controle sobre suas transações, pois eles podem especificar valores com até oito casas decimais. A divisibilidade do Bitcoin também facilita o processo de aquisição de BTC para pequenos investidores.


Reserva de Valor, Meio de Troca e Unidade Contábil

Existem opiniões diversas em relação à atual classificação do Bitcoin. Muitos acreditam que o Bitcoin é simplesmente uma moeda – uma ferramenta para mover fundos do ponto A para o ponto B. Veremos isso na próxima seção, mas essa visão é contrária à opinião de muitos defensores do Bitcoin como reserva de valor.

Esses defensores argumentam que o Bitcoin deve passar por vários estágios antes de se tornar a moeda definitiva. Inicialmente, ele atua como um colecionável (sem dúvida onde estamos agora): ele provou ser funcional e seguro, mas foi adotado por um pequeno nicho de usuários. Seu público principal consiste principalmente de amadores e especuladores.

Somente quando houver mais educação, infraestrutura para instituições e mais confiança em sua capacidade de retenção de valor, ele poderá avançar para o próximo estágio: reserva de valor. Alguns acreditam que o Bitcoin já atingiu esse nível. 
Neste ponto, o Bitcoin não é amplamente gasto devido à lei de Gresham, que afirma: bad money  drives out good money. Em português, algo como "dinheiro ruim expulsa dinheiro bom". O que isso quer dizer é que, quando indivíduos possuem dois tipos de moeda, existe uma tendência de que eles gastem primeiro a moeda inferior e armazenem a superior. Os usuários do Bitcoin preferem gastar moedas fiduciárias, pois têm pouca fé em sua sobrevivência a longo prazo. Eles armazenam (HODL) seus bitcoins, pois acreditam que terão maior valor a longo prazo. 
Se a rede do Bitcoin continuar crescendo, mais usuários o adotarão, a liquidez aumentará e o preço se tornará mais estável. Com mais estabilidade, não haverá tanto incentivo para mantê-la na esperança de ganhos maiores no futuro. Portanto, podemos esperar que seja muito mais usado no comércio e nos pagamentos cotidianos, como uma forte moeda de troca.
O aumento do uso estabiliza ainda mais o preço. Em seu estágio final, o Bitcoin se tornaria uma unidade de conta – usado para precificação de outros ativos. Da mesma forma que podemos definir o preço de um galão de petróleo a US$ 4, em um mundo onde o Bitcoin reina como moeda oficial, os valores seriam medidos em bitcoins.

Se esses três marcos monetários forem alcançados, os proponentes veem um futuro onde o Bitcoin se tornará um novo padrão, substituindo as moedas usadas atualmente.


Aspectos contrários à classificação do Bitcoin como reserva de valor

Os argumentos apresentados na seção anterior podem parecer completamente lógicos para alguns e uma completa insanidade para outros. Existem diversas críticas em relação à ideia do Bitcoin como “ouro digital”, originadas tanto de "Bitcoiners" quanto de céticos da criptomoeda.


Bitcoin como dinheiro digital

Quando surge uma discordância sobre o assunto, muitos logo apontam para o whitepaper do Bitcoin. Para eles, é evidente que a intenção de Satoshi era que o Bitcoin fosse gasto desde o início. Na verdade, está no próprio título do artigo: Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System. Em português, "Bitcoin: Um Sistema de Dinheiro Eletrônico Ponto-a-Ponto".

O argumento sugere que o Bitcoin só pode ser considerado valioso se os usuários, de fato, gastarem as suas moedas. O acúmulo de moedas não ajuda na adoção – na realidade, a prejudica. Se o Bitcoin não é amplamente apreciado como dinheiro digital, sua proposta principal é movida não por sua utilidade, mas sim pela especulação. 

Essas diferenças ideológicas originaram um importante fork (bifurcação) em 2017. A minoria dos Bitcoiners queria um sistema com blocos maiores e, consequentemente, com taxas de transação mais baratas. Com o aumento do uso da rede original, o custo de uma transação pode aumentar drasticamente e desencorajar transações de menor valor. Se houver uma taxa média de US$ 10, não faria sentido você gastar moedas em uma compra de US$ 3.

Atualmente, a rede oriunda do fork é conhecida como Bitcoin Cash. Na época, a rede original lançou sua própria atualização, conhecida como SegWit. A SegWit aumentou a capacidade dos blocos, mas esse não era seu objetivo principal. Ele também forneceu as bases para a Lightning Network, que visa facilitar as transações de baixas taxas, empurrando-as para fora da blockchain (transações off-chain).

Na prática, entretanto, a Lightning Network está longe de ser perfeita. As transações regulares de Bitcoin são mais fáceis de entender. O gerenciamento de canais e da capacidade da Lightning Network exige uma curva de aprendizado mais íngreme. O tempo dirá se ela poderá ser simplificada ou se o design da solução é fundamentalmente muito complexo.

Devido à crescente demanda por espaço de bloco, as transações on-chain não são mais tão baratas em horários de pico. Sendo assim, pode-se apresentar o argumento de que não aumentar o tamanho do bloco prejudica a usabilidade do Bitcoin como moeda.


Sem valor intrínseco

Para muitos, a comparação entre ouro e Bitcoin é absurda. A história do ouro é, essencialmente, a história da civilização. O metal precioso sempre foi parte crucial das sociedades por milhares de anos. É claro que o ouro perdeu um pouco de seu domínio desde a erradicação do padrão-ouro. Mas, ainda assim, continua sendo o ativo considerado como "porto-seguro".

Na realidade, parece um absurdo comparar os efeitos de rede do rei dos ativos a um protocolo de apenas onze anos. O ouro tem sido reverenciado como um símbolo de status e como metal industrial por milênios.

Por outro lado, o Bitcoin não tem uso fora de sua rede. Você não pode usá-lo como um condutor eletrônico, nem transformá-lo em uma grande corrente brilhante para uma carreira no hip-hop. O Bitcoin pode, em alguns aspectos, imitar o ouro (mineração, suprimento finito, etc.), mas isso não muda o fato de que é um ativo digital.

Até certo ponto, todo dinheiro é uma crença compartilhada – o dólar só tem valor porque o governo afirma isso e a sociedade aceita. O ouro também só tem valor porque todos concordam. O Bitcoin não é diferente, mas o grupo que o valoriza ainda é relativamente pequeno em uma escala global. Você provavelmente já teve muitas conversas nas quais teve que explicar o que o Bitcoin, porque a grande maioria das pessoas ainda não sabe muito a respeito.


Volatilidade e correlação

Os que entraram na rede do Bitcoin cedo certamente desfrutaram da sua enorme valorização. Para esses usuários – e mais alguns - o Bitcoin realmente atua como reserva de valor. Por outro lado, aqueles que compraram suas primeiras moedas a valores próximos do recorde, não desfrutam da mesma experiência. Muitos sofreram grandes perdas. 
O Bitcoin é incrivelmente volátil e seus mercados são imprevisíveis. Metais como ouro e prata têm flutuações insignificantes em comparação com o Bitcoin. Alguns argumentam que é ainda muito cedo e que o preço se estabilizará. Essa afirmação, por si só, é um indício de que o Bitcoin ainda não é uma reserva de valor.

Também deve ser considerada a relação do Bitcoin com os mercados tradicionais. Desde o início do Bitcoin, eles apresentaram uma tendência de alta constante. Não podemos afirmar, com tanta certeza, que a criptomoeda foi realmente testada como um ativo "porto-seguro" se todas as outras classes de ativos também apresentam bons resultados. Os entusiastas do Bitcoin podem se referir a ele como “não correlacionado” com outros ativos. Mas simplesmente não há como confirmar isso até que os outros ativos sofram, enquanto o Bitcoin permanece estável.


Tulip Mania e Beanie Babies

Não seria uma crítica adequada às propriedades de reserva de valor do Bitcoin se não mencionássemos as comparações com o Tulip Mania e os Beanie Babies. São analogias fracas, mas servem para ilustrar os perigos de uma bolha.

Em ambos os casos, os investidores compraram, às pressas, itens que consideravam raros na esperança de revendê-los com lucro. Os itens não eram tão valiosos – eles eram relativamente fáceis de produzir. A bolha estourou quando os investidores perceberam que estavam supervalorizando maciçamente seus investimentos, e os mercados de tulipas e de Beanie babies entraram em colapso.

Novamente, essas não são boas analogias. O valor do Bitcoin deriva da crença dos usuários nele, mas, ao contrário das tulipas, não é possível forçar um aumento de sua produção para satisfazer a demanda. Dito isso, nada garante que os investidores não vejam o Bitcoin como um ativo supervalorizado no futuro, causando o estouro de uma possível bolha.


Considerações finais

O Bitcoin certamente possui muitas características de uma reserva de valor, como o ouro. O número de unidades é finito, a rede é descentralizada o suficiente para oferecer segurança aos detentores (holders) e pode ser usado tanto para armazenar quanto para transferir valor.

Em última análise, ele ainda deve provar seu valor como um ativo "porto-seguro" – é muito cedo para afirmar com certeza. Existem duas possibilidades – o mundo pode encontrar no Bitcoin, um refúgio em períodos de instabilidade econômica. Ou talvez ele continue sendo usado por apenas um grupo minoritário.

O tempo dirá.