Blockchains Privadas, P√ļblicas e de Cons√≥rcios - Qual a Diferen√ßa?
P√°gina Inicial
Artigos
Blockchains Privadas, P√ļblicas e de Cons√≥rcios - Qual a Diferen√ßa?

Blockchains Privadas, P√ļblicas e de Cons√≥rcios - Qual a Diferen√ßa?

Intermedi√°rio
Publicado em Jan 6, 2020Atualizado em Feb 9, 2023
6m

Conte√ļdo


O lan√ßamento da Bitcoin criou as bases para uma ind√ļstria que gira em torno da tecnologia d√° suporte ao protocolo: a blockchain. Os inovadores entusiastas agora descobriram o potencial da tecnologia e est√£o explorando suas aplica√ß√Ķes em todos os setores poss√≠veis.

Bitcoin √© o que chamamos de criptomoeda ‚Äď uma forma de dinheiro digital n√£o controlada por nenhuma entidade. Em vez disso, ela usa uma combina√ß√£o de tecnologia de banco de dados distribu√≠do, incentivos financeiros e t√©cnicas criptogr√°ficas para permitir que um amplo ecossistema se coordene sem l√≠deres ou administradores.
A estrutura de dados usada pela rede Bitcoin despertou muito interesse durante os mais de 10 anos desde a sua criação. Agora, a tecnologia blockchain está sendo testada em setores que variam desde finanças e cadeias de suprimentos a sistemas legais e gestão de governo.
Caso voc√™ n√£o tenha visto nosso Guia para iniciantes sobre Tecnologia Blockchain: uma blockchain √© uma estrutura de dados simples cujas entradas n√£o podem ser editadas, apenas estendidas. Pode ser mais f√°cil pensar nela como uma planilha, onde cada c√©lula depende da anterior, de modo que qualquer tentativa de modificar uma c√©lula anterior seja imediatamente aparente. Geralmente, uma blockchain armazena informa√ß√Ķes sobre transa√ß√Ķes financeiras, mas pode ser usada com quaisquer tipos de dados digitais.

Seguindo com a analogia da planilha, o documento em si seria mantido por muitas partes. Cada um delas executa um software especializado em seu dispositivo, que se conecta a outros dispositivos que executam o software, para que assim todos os participantes tenham um banco de dados atualizado. 

N√£o existe uma fonte central da qual os participantes obtenham essas informa√ß√Ķes (a rede √© distribu√≠da). Isso significa que a propaga√ß√£o das informa√ß√Ķes √© mais lenta, mas torna a rede mais forte em termos de seguran√ßa e redund√Ęncia.

No t√≥pico seguinte, veremos tr√™s tipos de blockchain ‚Ästprivadas, p√ļblicas e de cons√≥rcios. Antes disso, vamos reiterar alguns dos principais recursos que as tr√™s t√™m em comum:

  • Um ledger que s√≥ permite adi√ß√Ķes ‚Äď para se qualificar como uma blockchain, um sistema precisa seguir a estrutura da cadeia de blocos, em que cada bloco est√° vinculado ao √ļltimo. Considerando a nossa analogia, se a blockchain √© a cole√ß√£o de c√©lulas em nossa planilha, os blocos s√£o as c√©lulas individuais.
  • Uma rede de peers ‚Äď todo participante da rede possui uma c√≥pia da blockchain. Esses participantes s√£o chamados de nodes (n√≥s) e a intera√ß√£o deles √© realizada de ponto a ponto (peer-to-peer).
  • Um mecanismo de consenso ‚Äď deve haver um mecanismo para os que n√≥s concordem com a validade das transa√ß√Ķes propagadas pela rede, para garantir que n√£o haja dados falsos sendo gravados na cadeia.

A tabela abaixo resume algumas das principais diferenças.



Tipo de Blockchain

P√ļblica

Privada

Consórcio

Sem necessidade de permiss√£o?

Sim

N√£o

N√£o

Quem pode ler?

Qualquer um

Apenas usu√°rios convidados

Depende

Quem pode escrever?

Qualquer um

Participantes aprovados

Participantes aprovados

Propriet√°rio

Ninguém

Uma √ļnica entidade

M√ļltiplas entidades

Participantes conhecidos?

N√£o

Sim

Sim

Velocidade das transa√ß√Ķes

Lenta

R√°pida

R√°pida


Blockchains p√ļblicas

Se voc√™ usou uma criptomoeda recentemente, √© prov√°vel que tenha interagido com uma blockchain p√ļblica. Estas comp√Ķem a maioria dos ledgers distribu√≠dos que existem hoje. N√≥s as chamamos de p√ļblicas, porque qualquer pessoa pode visualizar as transa√ß√Ķes que ocorrem e a ades√£o √© uma simples quest√£o de baixar o software necess√°rio.

Al√©m do termo "p√ļblico", geralmente tamb√©m usamos o termo "permissionless" (sem permiss√£o). Ningu√©m pode impedir a participa√ß√£o e qualquer pessoa pode se envolver com o mecanismo de consenso (por exemplo, minerando ou fazendo staking). Como qualquer pessoa √© livre para ingressar e ser recompensada por seu papel na obten√ß√£o do consenso, o que se espera √© ver uma topologia altamente descentralizada em uma rede estabelecida em torno de uma cadeia p√ļblica.

Do mesmo modo, a expectativa √© de que uma blockchain p√ļblica seja mais resistente √† censura do que uma privada (ou semi-privada). Como qualquer pessoa pode ingressar na rede, o protocolo deve incorporar certos mecanismos para impedir que agentes mal-intencionados obtenham alguma vantagem de forma an√īnima.

Em rela√ß√£o ao desempenho, a abordagem de cadeias p√ļblicas orientadas para a seguran√ßa tem vantagens e desvantagens. Muitas enfrentam obst√°culos de escalabilidade e a taxa de transfer√™ncia √© relativamente baixa. Al√©m disso, enviar altera√ß√Ķes para uma rede sem fragment√°-las pode ser um desafio, pois √© dif√≠cil que todos os participantes concordem com as altera√ß√Ķes propostas.


Blockchains privadas

Diferentemente da natureza "sem permiss√£o" das cadeias p√ļblicas, as cadeias privadas estabelecem regras que determinam quem pode ver e escrever na cadeia (s√£o ambientes que requerem autoriza√ß√£o). N√£o s√£o sistemas descentralizados, pois existe uma clara hierarquia em rela√ß√£o ao controle. No entanto, eles s√£o distribu√≠dos em muitos n√≥s que ainda mant√™m uma c√≥pia da cadeia em suas m√°quinas.

As cadeias privadas são mais adequadas para uso corporativo, onde uma organização deseja desfrutar de características da blockchain sem tornar sua rede acessível externamente.

O Proof of Work causa muito desperd√≠cio, mas provou ser necess√°rio para um ambiente aberto, considerando o modelo de seguran√ßa. Em uma blockchain privada, no entanto, as amea√ßas que o PoW det√©m n√£o s√£o t√£o prejudiciais ‚Äď a identidade de cada participante √© conhecida e a gest√£o √© feita de forma pr√°tica.¬†
Um algoritmo mais eficiente, nesse caso, √© aquele com validadores designados, que s√£o n√≥s selecionados para assumir determinadas fun√ß√Ķes na valida√ß√£o das transa√ß√Ķes. De modo geral, isso envolve uma variedade de n√≥s que devem aprovar cada bloco. Se os n√≥s come√ßarem a agir maliciosamente, eles podem ser rapidamente apreendidos e removidos da rede. Como o controle da blockchain √© feito de cima para baixo, √© relativamente f√°cil coordenar uma revers√£o.


Blockchains de consórcios

A blockchain do cons√≥rcio √© o meio termo entre as cadeias p√ļblicas e privadas, combinando elementos de ambas. A principal diferen√ßa de qualquer um dos sistemas pode ser observada no n√≠vel de consenso. Em vez de um sistema aberto em que qualquer um pode validar blocos ou um sistema fechado em que apenas uma √ļnica entidade nomeia validadores de blocos, uma cadeia de cons√≥rcios funciona com um grupo de participantes igualmente poderosos trabalhando como validadores.

A partir da√≠, as regras do sistema s√£o flex√≠veis: a visibilidade da cadeia pode ser limitada a validadores, vis√≠vel a indiv√≠duos autorizados ou por todos. Desde que os validadores cheguem a consenso, as altera√ß√Ķes podem ser facilmente implementadas. Quanto ao funcionamento da blockchain, se uma certa por√ß√£o dessas partes estiver agindo de forma honesta, o sistema n√£o ter√° problemas.

Uma blockchain de cons√≥rcio seria mais ben√©fica em um cen√°rio em que v√°rias organiza√ß√Ķes operam no mesmo setor e precisam de um ambiente em comum para realizar transa√ß√Ķes ou retransmitir informa√ß√Ķes. Participar de um cons√≥rcio desse tipo pode ser muito vantajoso para uma organiza√ß√£o, pois permitiria o compartilhamento de informa√ß√Ķes sobre seu setor com outros participantes.


Qual é melhor?

Fundamentalmente, blockchains p√ļblicas, privadas e de cons√≥rcio n√£o s√£o diretamente concorrentes ‚Äď s√£o tecnologias diferentes:

  • Redes p√ļblicas bem projetadas, em detrimento da velocidade e do rendimento, tendem a se sobressair no que diz respeito √† resist√™ncia √† censura. S√£o as melhores para obten√ß√£o de garantias de seguran√ßa em acordos e transa√ß√Ķes (ou em contratos inteligentes).
  • Uma cadeia privada pode priorizar a velocidade do sistema, pois n√£o precisa se preocupar com pontos centrais de falha, como no caso das blockchains p√ļblicas. Elas s√£o ideais em situa√ß√Ķes em que um indiv√≠duo ou organiza√ß√£o deve permanecer no controle e as informa√ß√Ķes mantidas em sigilo.
  • As cadeias de cons√≥rcio atenuam alguns dos riscos de contraparte de uma cadeia privada (removendo o controle centralizado) e um n√ļmero menor de n√≥s geralmente permite que elas tenham um desempenho muito mais eficaz que uma cadeia p√ļblica. Os cons√≥rcios provavelmente atrair√£o organiza√ß√Ķes que desejam otimizar a comunica√ß√£o entre si.


Considera√ß√Ķes finais

Existe uma infinidade de op√ß√Ķes de blockchains para indiv√≠duos e empresas de v√°rios setores. Mesmo considerando as categorias de blockchains p√ļblicas, privadas e de cons√≥rcios, existem muitas especifica√ß√Ķes que proporcionam diferentes experi√™ncias do usu√°rio. Dependendo do uso, os usu√°rios ir√£o selecionar a mais adequada para seus objetivos.