Guia Sobre VPNs para Iniciantes

Compartilhar
Copied to clipboard!
Guia Sobre VPNs para Iniciantes

Conteúdo


Introdução

Na atual era digital, seu provedor de Internet (Internet Services Provider, ISP) é sua porta de entrada para o mundo online. Essas empresas vendem a assinatura de Internet e conectam os usuários no mundo todo. Sem os provedores, não é possível entrar nas redes sociais ou assistir seus filmes favoritos no Netflix.

Infelizmente, isso coloca você em uma posição um tanto quanto vulnerável. Os provedores atuam como intermediários, tornando-se parte de qualquer comunicação entre o usuário e os sites. Além disso, a forma como a Internet funciona acaba revelando sua localização sempre que você visita um site. 

Felizmente, redes VPN podem ajudar a evitar esse tipo de problema.


O que é VPN?

Uma rede VPN (rede virtual privada) é uma conexão segura entre seu dispositivo e outra rede da Internet. Pode ser usada, por exemplo, para conectar redes corporativas ou simplesmente para navegar na web sem revelar suas informações. 


Como funciona o VPN?

Para entender a função do VPN, é importante entender como funcionam as comunicações regulares entre você e um site. 


Rota simplificada de conexão entre dispositivos e um site.

Rota simplificada de conexão entre dispositivos e um site.


Suponha que você queira acessar o site "I Love Honey Badgers" (e) usando seu laptop ou smartphone (a). Você digita um nome legível por humanos na barra de endereço (ou seja, ilovehoneybadgers.com), mas sua máquina o converte em um número. Esse número é o endereço de IP do site, que é como um endereço físico. Ao enviar uma carta, você precisa informar o endereço do destinatário à agência postal. Essencialmente, o mesmo acontece com a transmissão de dados online.

Seu dispositivo não está diretamente conectado à Internet (d). Ele precisa estar vinculado a algo que possa transmitir a mensagem. Em sua casa, você provavelmente tem um roteador (b) ao qual você conecta vários dispositivos. O roteador se comunica com seu provedor de internet (c), que se conecta à Internet. A partir daí, sua solicitação é roteada para o site que você está acessando (e).

Obviamente, o site deve saber para onde retornar as informações solicitadas, então ele precisa do seu endereço de IP. Portanto, sempre que você se comunica com os serviços dessa maneira, eles têm uma ideia de onde você está.

Para muitos, esse nível de publicidade das informações é inaceitável. Você pode encriptar os dados que envia, mas os endereços de IP revelam muito sobre suas intenções. Por exemplo, seu provedor de internet (ISP) pode não saber se você está ou não lendo sobre texugos de mel no site "I Love Honey Badgers" (do inglês, "eu amo texugos de mel"), mas saberá que você está tentando acessar esse domínio. 

Se quiser manter sua privacidade em relação aos sites que você acessa – e sua localização – você deve usar uma rede VPN.

Para VPNs comerciais usados para navegar na internet, normalmente funciona da seguinte maneira:

  1. Primeiro, você compra a assinatura de um serviço VPN.
  2. Então, você recebe as credenciais para autenticar sua identidade.
  3. Instalação do cliente VPN para se comunicar com o servidor VPN.
  4. O protocolo de tunelamento estabelece uma conexão segura entre seu dispositivo e o servidor. Exemplos de protocolos incluem OpenVPN, L2TP/IPSec e PPTP.
  5. Quando quiser acessar uma página da Web, você passa os dados pelo "túnel" para chegar ao servidor.
  6. O servidor solicita as informações do site e lhe retorna a resposta através do túnel VPN.

O protocolo de tunelamento cria uma espécie de canal privado entre o seu dispositivo e o servidor VPN. Então, as informações internas são encriptadas, para que pessoas de fora não possam acessá-las. Como o tráfego da internet agora é roteado por outro servidor, o site não poderá ver seu IP e sua localização reais, apenas os fornecidos pelo VPN. Se você mora nos EUA e se conecta a um servidor na Índia, qualquer site iria supor que você está na Índia.


Um túnel encriptado é estabelecido entre seu dispositivo e o servidor do seu VPN.

Um túnel encriptado é estabelecido entre seu dispositivo e o servidor do seu VPN.


Nesse sentido, você pode imaginar o servidor como um node (nó) de saída na rede Tor. A origem da solicitação é mascarada e canalizada na internet para parecer que está vindo de um local diferente.


Por que você deveria usar uma VPN?

Redes VPN são usadas para diversas situações. Talvez sua empresa já utilize VPN para permitir que os funcionários acessem remotamente a rede interna da empresa de maneira segura. Outra opção de uso é usar VPN para desbloquear sites restritos em seu país. Lembre-se, para os provedores de internet vai parecer que você está acessando um servidor aleatório – e não sites censurados.

Outro excelente motivo para usar VPN é para melhorar sua privacidade e segurança online. A própria arquitetura da internet exige que seus usuários sejam proativos para garantir a segurança. Se forem passivos demais ou não forem cuidadosos o suficiente, correm o risco de serem expostos ou hackeados. 

Sempre que entramos na internet, revelamos informações que podem cair em mãos erradas. Dados pessoais são vistos, cada vez mais, como um recurso valioso, tanto por agentes maliciosos quanto por empresas legítimas. Com um VPN, você não apenas impede a coleta de dados pelo seu provedor, mas também pode ocultar sua localização geográfica. Ou seja, os VPNs dificultam que terceiros descubram quem é você.

Se você estiver usando redes Wi-Fi públicas, é essencial entender os riscos. Embora você possa esperar um certo grau de privacidade do WiFi da sua casa, o roteador de um estabelecimento não oferece essa garantia. Na verdade, pontos de acesso Wi-Fi públicos são um playground para agentes mal-intencionados. Se você realmente precisa usá-los, a proteção VPN é altamente recomendada. Se possível, pelo menos opte por sites que usam o protocolo HTTPS em vez de HTTP, pois o primeiro criptografa a conexão com SSL/TLS.

Leia mais sobre os riscos associados ao WiFi público em Por que o WiFi público é inseguro?.


Prós e contras do uso de VPN

Prós do VPN

Falsa localização

Com um VPN, sua conexão com a internet aparenta ser de um local diferente. Isso permite que você ignore as restrições de seu país para acessar determinados sites ou evite bloqueios do próprio site em relação à localização geográfica.


Maior segurança

Como suas comunicações passam por um túnel encriptado, ninguém além do provedor VPN pode entendê-las. Essa conexão encriptada impede que provedores de internet, hackers e outros espiões tenham acesso aos seus dados. Se o site que você está acessando estiver usando HTTPS, o servidor VPN não poderá ver o conteúdo da sua solicitação. Eles saberão apenas qual é o site acessado.


Excelente privacidade

Além de impedir que seu provedor saiba o que você está fazendo online, você ainda impede que os sites que você navega descubram sua localização. 


Custo e variedade 

Com um pouco de esforço, você pode configurar um VPN sozinho. Como alternativa, existem muitos provedores que oferecem acesso a servidores em centenas de países. Alguns vêm com aplicativos próprios para sistemas operacionais de celular ou computador, enquanto outros simplesmente exigem que você se conecte através de um software open-source (de código aberto).


Contras do VPN

Menos velocidade

É claro que as conexões VPN geralmente são mais lentas que as comuns. Afinal, você está introduzindo pelo menos uma etapa adicional entre o seu dispositivo e os sites acessados. Por exemplo, se você está no Reino Unido e usa um servidor na Austrália, não apenas precisa considerar a latência, mas também as velocidades de upload/download do servidor.


Os provedores sabem sua identidade 

Seu endereço IP fica oculto para o mundo exterior, mas não para o provedor do VPN. É possível que eles façam registros de suas atividades e, dependendo do caso, compartilhem informações com órgãos do governo. Eles também poderiam vendê-lo para terceiros. É por isso que, antes de escolher um provedor de VPN, é importante pesquisar e comparar as opções disponíveis.


Possivelmente ilegal

Alguns países proíbem o uso de VPNs, empregando técnicas como inspeção profunda de pacotes para identificação dos usuários. Nessas jurisdições, a tentativa de mascarar o tráfego da sua rede pode lhe trazer problemas legais e fazer com que as autoridades investiguem suas atividades.


Insuficiente

VPNs não são de forma alguma uma solução de um clique para o anonimato online. Eles podem fornecer uma falsa sensação de segurança quando, na realidade, existem muitos outros métodos para descobrir informações de usuários da internet.


➠ Pensando em investir em criptomoedas? Compre Bitcoin na Binance!


Melhores práticas com VPN

Se você acabou de decidir ou se já possui um VPN, existem algumas informações que você precisa saber sobre o funcionamento do seu VPN.

Você pode optar por configurar um VPN porque não confia no seu provedor de internet. É um motivo válido para fazer isso, mas esteja ciente de que você não está eliminando completamente a necessidade de confiança. Em vez disso, você está tirando-a das mãos do seu provedor de internet e colocando-a nas mãos do provedor de VPN.

Portanto, é importante que você escolha um provedor confiável. Se você não está familiarizado com o setor de VPN em geral, talvez esteja se perguntando por onde começar. Citaremos alguns pontos a serem considerados antes de pagar por uma assinatura.


Boa reputação

Quando se trata da sua privacidade online, você não deseja optar pela opção mais barata de VPN. Na melhor das hipóteses, provedores de VPN gratuitos lucram com seus dados de alguma forma. Na pior das hipóteses, você pode acabar instalando um malware que pode lhe causar problemas.

Serviços com boa reputação podem ser encontrados pelo mesmo custo mensal do seu café diário. Leia comentários imparciais sobre várias opções, compare custos, velocidades e localizações dos servidores. Se você leva isso muito a sério, também pode conferir os Termos de Serviço. Existem diversos sites imparciais que apresentam comparações lado a lado para ajudá-lo a decidir. Como com as criptomoedasfaça sua própria pesquisa!


Atributos desejáveis

Existem muitos tipos de ameaças. Para os mais preocupados com a privacidade, considerem provedores de VPN com os seguintes atributos.


Jurisdições sem vigilância

O Five Eyes é uma aliança de países que compartilham inteligência entre si. Originalmente era um acordo entre o Reino Unido e os EUA, mas se expandiu para incluir o Canadá, a Austrália e a Nova Zelândia. Essas nações compartilham informações sobre seus cidadãos entre si. 

Embora (supostamente) não sejam tão rigorosos no compartilhamento de informações, o Nine Eyes (que também incluem França, Holanda, Dinamarca e Noruega) e o Fourteen Eyes (que incluem Suécia, Espanha, Alemanha, Itália e Bélgica) são extensões dessa aliança.

Usuários que defendem a privacidade alertam contra o uso de VPNs com base nessas jurisdições. Se você estiver em um país membro do Five Eyes e acessar a internet por meio de servidores VPN com base nesse país, o governo ainda poderá consultar suas atividades. Se o usuário se importa ou não com isso, vai depender do perfil de risco. Alguns acham que evitar essas jurisdições é um exagero.


Kill Switch de Internet

Muitos VPNs utilizam um recurso conhecido como "kill switch", que é uma medida de segurança que corta sua conexão de rede caso o protocolo VPN não esteja funcionando corretamente. É um mecanismo útil que pode impedir que você, acidentalmente, revele seu endereço IP, caso o VPN apresente problemas de funcionamento.


Política de registros

Provedores de VPN comprometidos em proteger a privacidade de seus usuários geralmente adotam uma política de "no log" (sem registros). Ou seja, basicamente eles não mantêm registros das atividades de seus usuários. Observe que não há como comprovar isso. A empresa pode estar mentindo. Existem exemplos na história recente de provedores "no log" que foram obrigados a compartilhar dados sobre usuários com autoridades.

Alguns dizem que qualquer provedor que afirme ter uma política "zero log" (sem nenhum registro) é falso, pois alguns dados precisam ser coletados. Sendo assim, os usuários devem procurar por empresas que forneçam detalhes sobre sua forma de trabalho e quais são os dados coletados.


Crypto-friendly

Se você quer um VPN para fins de privacidade online, você provavelmente não gosta de compartilhar informações pessoais. Os detalhes do seu cartão de débito e crédito são talvez algumas das informações mais confidenciais que você possui, por isso é compreensível que bons fornecedores ofereçam soluções de pagamento alternativas. Muitos permitem que você pague com criptomoedas, proporcionando ainda mais privacidade.


Suporte para múltiplos dispositivos

Algumas assinaturas permitem a proteção não apenas de seu PC (Windows, Mac ou Linux), mas também de smartphones e dispositivos IoT. Se você quer garantir a cobertura em toda a sua rede doméstica, uma assinatura que permite o uso de vários dispositivos pode ser mais interessante.


Considerações finais

Cada vez mais, as redes privadas virtuais estão se tornando uma ferramenta essencial para o acesso à internet, seja em casa ou em redes públicas. Os VPNs baratos, mas eficientes, ajudam a proteger informações pessoais valiosas dos provedores de internet e dos sites que você acessa.

No entanto, é importante entender que VPNs não fazem milagres. O anonimato total online é uma espécie de mito, pois existem inúmeras maneiras de se obter acesso aos dados de usuários. Coisas como cookies e impressões digitais de dispositivos também podem revelar muitas informações. Para evitar armadilhas de segurança, os VPNs devem ser usados em combinação com outras ferramentas e tecnologias de segurança e privacidade.


➠ Dúvidas sobre VPNs? Acesse a Ask Academy!

Loading