Blockchains Privadas, Públicas e de Consórcios - Qual a Diferença?

Compartilhar
Copied to clipboard!
Blockchains Privadas, Públicas e de Consórcios - Qual a Diferença?

Conteúdo


O lançamento da Bitcoin criou as bases para uma indústria que gira em torno da tecnologia dá suporte ao protocolo: a blockchain. Os inovadores entusiastas agora descobriram o potencial da tecnologia e estão explorando suas aplicações em todos os setores possíveis.

Bitcoin é o que chamamos de criptomoeda – uma forma de dinheiro digital não controlada por nenhuma entidade. Em vez disso, ela usa uma combinação de tecnologia de banco de dados distribuído, incentivos financeiros e técnicas criptográficas para permitir que um amplo ecossistema se coordene sem líderes ou administradores.

A estrutura de dados usada pela rede Bitcoin despertou muito interesse durante os mais de 10 anos desde a sua criação. Agora, a tecnologia blockchain está sendo testada em setores que variam desde finanças e cadeias de suprimentos a sistemas legais e gestão de governo.

Caso você não tenha visto nosso Guia para iniciantes sobre Tecnologia Blockchain: uma blockchain é uma estrutura de dados simples cujas entradas não podem ser editadas, apenas estendidas. Pode ser mais fácil pensar nela como uma planilha, onde cada célula depende da anterior, de modo que qualquer tentativa de modificar uma célula anterior seja imediatamente aparente. Geralmente, uma blockchain armazena informações sobre transações financeiras, mas pode ser usada com quaisquer tipos de dados digitais.

Seguindo com a analogia da planilha, o documento em si seria mantido por muitas partes. Cada um delas executa um software especializado em seu dispositivo, que se conecta a outros dispositivos que executam o software, para que assim todos os participantes tenham um banco de dados atualizado. 

Não existe uma fonte central da qual os participantes obtenham essas informações (a rede é distribuída). Isso significa que a propagação das informações é mais lenta, mas torna a rede mais forte em termos de segurança e redundância.

No tópico seguinte, veremos três tipos de blockchain – privadas, públicas e de consórcios. Antes disso, vamos reiterar alguns dos principais recursos que as três têm em comum:

  • Um ledger que só permite adições – para se qualificar como uma blockchain, um sistema precisa seguir a estrutura da cadeia de blocos, em que cada bloco está vinculado ao último. Considerando a nossa analogia, se a blockchain é a coleção de células em nossa planilha, os blocos são as células individuais.
  • Uma rede de peers – todo participante da rede possui uma cópia da blockchain. Esses participantes são chamados de nodes (nós) e a interação deles é realizada de ponto a ponto (peer-to-peer).
  • Um mecanismo de consenso – deve haver um mecanismo para os que nós concordem com a validade das transações propagadas pela rede, para garantir que não haja dados falsos sendo gravados na cadeia.

A tabela abaixo resume algumas das principais diferenças.



Tipo de Blockchain

Pública

Privada

Consórcio

Sem necessidade de permissão?

Sim

Não

Não

Quem pode ler?

Qualquer um

Apenas usuários convidados

Depende

Quem pode escrever?

Qualquer um

Participantes aprovados

Participantes aprovados

Proprietário

Ninguém

Uma única entidade

Múltiplas entidades

Participantes conhecidos?

Não

Sim

Sim

Velocidade das transações

Lenta

Rápida

Rápida


Blockchains públicas

Se você usou uma criptomoeda recentemente, é provável que tenha interagido com uma blockchain pública. Estas compõem a maioria dos ledgers distribuídos que existem hoje. Nós as chamamos de públicas, porque qualquer pessoa pode visualizar as transações que ocorrem e a adesão é uma simples questão de baixar o software necessário.

Além do termo "público", geralmente também usamos o termo "permissionless" (sem permissão). Ninguém pode impedir a participação e qualquer pessoa pode se envolver com o mecanismo de consenso (por exemplo, minerando ou fazendo staking). Como qualquer pessoa é livre para ingressar e ser recompensada por seu papel na obtenção do consenso, o que se espera é ver uma topologia altamente descentralizada em uma rede estabelecida em torno de uma cadeia pública.

Do mesmo modo, a expectativa é de que uma blockchain pública seja mais resistente à censura do que uma privada (ou semi-privada). Como qualquer pessoa pode ingressar na rede, o protocolo deve incorporar certos mecanismos para impedir que agentes mal-intencionados obtenham alguma vantagem de forma anônima.

Em relação ao desempenho, a abordagem de cadeias públicas orientadas para a segurança tem vantagens e desvantagens. Muitas enfrentam obstáculos de escalabilidade e a taxa de transferência é relativamente baixa. Além disso, enviar alterações para uma rede sem fragmentá-las pode ser um desafio, pois é difícil que todos os participantes concordem com as alterações propostas.


Blockchains privadas

Diferentemente da natureza "sem permissão" das cadeias públicas, as cadeias privadas estabelecem regras que determinam quem pode ver e escrever na cadeia (são ambientes que requerem autorização). Não são sistemas descentralizados, pois existe uma clara hierarquia em relação ao controle. No entanto, eles são distribuídos em muitos nós que ainda mantêm uma cópia da cadeia em suas máquinas.

As cadeias privadas são mais adequadas para uso corporativo, onde uma organização deseja desfrutar de características da blockchain sem tornar sua rede acessível externamente.

O Proof of Work causa muito desperdício, mas provou ser necessário para um ambiente aberto, considerando o modelo de segurança. Em uma blockchain privada, no entanto, as ameaças que o PoW detém não são tão prejudiciais – a identidade de cada participante é conhecida e a gestão é feita de forma prática. 

Um algoritmo mais eficiente, nesse caso, é aquele com validadores designados, que são nós selecionados para assumir determinadas funções na validação das transações. De modo geral, isso envolve uma variedade de nós que devem aprovar cada bloco. Se os nós começarem a agir maliciosamente, eles podem ser rapidamente apreendidos e removidos da rede. Como o controle da blockchain é feito de cima para baixo, é relativamente fácil coordenar uma reversão.


Blockchains de consórcios

A blockchain do consórcio é o meio termo entre as cadeias públicas e privadas, combinando elementos de ambas. A principal diferença de qualquer um dos sistemas pode ser observada no nível de consenso. Em vez de um sistema aberto em que qualquer um pode validar blocos ou um sistema fechado em que apenas uma única entidade nomeia validadores de blocos, uma cadeia de consórcios funciona com um grupo de participantes igualmente poderosos trabalhando como validadores.

A partir daí, as regras do sistema são flexíveis: a visibilidade da cadeia pode ser limitada a validadores, visível a indivíduos autorizados ou por todos. Desde que os validadores cheguem a consenso, as alterações podem ser facilmente implementadas. Quanto ao funcionamento da blockchain, se uma certa porção dessas partes estiver agindo de forma honesta, o sistema não terá problemas.

Uma blockchain de consórcio seria mais benéfica em um cenário em que várias organizações operam no mesmo setor e precisam de um ambiente em comum para realizar transações ou retransmitir informações. Participar de um consórcio desse tipo pode ser muito vantajoso para uma organização, pois permitiria o compartilhamento de informações sobre seu setor com outros participantes.


Qual é melhor?

Fundamentalmente, blockchains públicas, privadas e de consórcio não são diretamente concorrentes – são tecnologias diferentes:

  • Redes públicas bem projetadas, em detrimento da velocidade e do rendimento, tendem a se sobressair no que diz respeito à resistência à censura. São as melhores para obtenção de garantias de segurança em acordos e transações (ou em contratos inteligentes).
  • Uma cadeia privada pode priorizar a velocidade do sistema, pois não precisa se preocupar com pontos centrais de falha, como no caso das blockchains públicas. Elas são ideais em situações em que um indivíduo ou organização deve permanecer no controle e as informações mantidas em sigilo.
  • As cadeias de consórcio atenuam alguns dos riscos de contraparte de uma cadeia privada (removendo o controle centralizado) e um número menor de nós geralmente permite que elas tenham um desempenho muito mais eficaz que uma cadeia pública. Os consórcios provavelmente atrairão organizações que desejam otimizar a comunicação entre si.


Considerações finais

Existe uma infinidade de opções de blockchains para indivíduos e empresas de vários setores. Mesmo considerando as categorias de blockchains públicas, privadas e de consórcios, existem muitas especificações que proporcionam diferentes experiências do usuário. Dependendo do uso, os usuários irão selecionar a mais adequada para seus objetivos.

Loading