O que é uma Stablecoin?
Tabela de Conteúdos
Introdução
O que é uma stablecoin?
Como funcionam as stablecoins?
Quais são as vantagens das stablecoins?
Quais são as desvantagens das stablecoins?
Casos de uso das stablecoins
As stablecoins são reguladas?
Considerações finais
O que é uma Stablecoin?
Página Inicial
Artigos
O que é uma Stablecoin?

O que é uma Stablecoin?

Iniciante
Publicado em Mar 6, 2020Atualizado em Nov 18, 2022
8m

TL;DR

Uma stablecoin é um criptoativo atrelado a um ativo com preço estável, como uma moeda fiduciária ou metal precioso. As stablecoins foram criadas para evitar os altos níveis de volatilidade, comuns no mercado de criptomoedas.

Existem três tipos de stablecoin: atreladas a moedas fiduciárias (fiat), atreladas a criptomoedas e as algorítmicas. Stablecoins atreladas a moedas fiduciárias, como o BUSD, mantêm um vínculo com as moedas fiduciárias tradicionais. Para manter o valor atrelado, são mantidas reservas fiduciárias que podem ser trocadas pela stablecoin correspondente. As stablecoins atreladas a criptomoedas (como o DAI) oferecem garantias (sobrecolateralização) sobre seus tokens, considerando a volatilidade dos preços das criptomoedas. As stablecoins algorítmicas controlam o fornecimento sem a necessidade de reservas.

Devido à praticidade e à grande capitalização de mercado das stablecoins, os órgãos reguladores estão dando mais atenção a elas. Alguns governos já criaram suas próprias stablecoins para manter o controle sobre a moeda.


Introdução

As criptomoedas não se resumem à volatilidade. As stablecoins são criptomoedas projetadas especificamente para manter um preço fixo. Em uma indústria onde moedas e tokens podem sucumbir da noite para o dia, há uma enorme demanda por moedas que combinem os benefícios da tecnologia blockchain com a capacidade de atrelamento a ativos mais estáveis. Se você ainda não usa stablecoins para trades ou investimentos, vale a pena aprender mais sobre elas e suas vantagens e desvantagens.


O que é uma stablecoin?

Stablecoins são ativos digitais que acompanham o valor de moedas fiduciárias ou outros ativos. Por exemplo, você pode comprar tokens atrelados ao dólar, euro, iene, ouro ou petróleo. Uma stablecoin permite que seu detentor consolide lucros e perdas e transfira valores a um preço estável em redes blockchain peer-to-peer.
Historicamente, o Bitcoin (BTC), Ether (ETH) e outras altcoins sempre foram consideravelmente voláteis. Embora isso ofereça muitas oportunidades para especulação, também traz algumas desvantagens. A volatilidade dificulta o uso das criptomoedas para pagamentos cotidianos. Por exemplo, um comerciante pode aceitar US$ 5 em BTC por um café, mas descobrir que seu BTC vale 50% menos no dia seguinte. Para determinados negócios, isso dificulta o planejamento e a operação com criptomoedas.

Antes, para consolidar os lucros ou evitar a volatilidade, os investidores e traders de criptomoedas não tinham outra opção além de converter suas criptomoedas novamente em moeda fiduciária. A criação das stablecoins forneceu uma solução simples para esses dois problemas. Hoje, você pode facilmente entrar e sair do mercado volátil das criptomoedas, usando stablecoins como BUSD ou USDC.


Como funcionam as stablecoins?

Para criar uma moeda cujo valor acompanha o preço ou valor de outro ativo, é necessário um mecanismo de atrelamento. Existem várias maneiras de fazer isso e a maioria depende de outro ativo atuando como colateral (garantia). Alguns métodos provaram ser mais eficientes do que outros, mas ainda não existe um mecanismo de atrelamento 100% garantido.

Stablecoins atreladas a moedas fiduciárias (Fiat-backed)

Uma stablecoin atrelada a uma moeda fiduciária (fiat-backed) mantém uma reserva da respectiva moeda, como USD ou GBP. Por exemplo, cada BUSD existente está atrelado a um dólar americano (USD) em reserva, mantido como colateral (garantia). Os usuários podem converter moeda fiduciária em stablecoin e vice-versa, na proporção de atrelamento. Se a relação entre os preços do token e da moeda fiduciária subjacente sofrer um desvio, os traders de arbitragem rapidamente farão com que o valor de atrelamento definido seja reestabelecido.
Vamos supor que o BUSD esteja sendo negociado por mais de um dólar. Os traders de arbitragem convertem dólares (USD) em BUSD e os vendem, obtendo lucros. Isso aumenta a oferta de venda do BUSD e reduz o preço para um dólar novamente. Se o BUSD for negociado abaixo de um dólar, os traders compram BUSD e o convertem para USD. Com isso, a demanda por BUSD cresce e seu preço sobe para um dólar novamente.

Stablecoins atreladas a criptomoedas (Crypto-backed)

As stablecoins atreladas a criptomoedas funcionam de maneira semelhante às stablecoins atreladas a moedas fiduciárias. No entanto, em vez de usar dólares ou outra moeda como reserva, são criptomoedas que atuam como colateral (garantia). Como o mercado de criptomoedas é altamente volátil, stablecoins atreladas a criptomoedas geralmente têm suas reservas sobrecolateralizadas, como medida de proteção contra as oscilações de preços.

Stablecoins atreladas a criptomoedas usam contratos inteligentes para gerenciar os processos de emissão e queima. Isso aumenta a confiabilidade, pois todos podem auditar os contratos de forma independente. No entanto, algumas stablecoins atreladas a criptomoedas são gerenciadas por Organizações Autônomas Descentralizadas (DAOs), onde a comunidade pode votar por mudanças no projeto. Nesse caso, você deve se envolver com o projeto ou simplesmente confiar nas decisões da DAO.

Vamos ver um exemplo. Para emitir US$ 100 em DAI atrelado ao USD, você precisará fornecer US$ 150 em criptomoedas (colateral de 1,5x). Após receber seu saldo em DAI, você pode usá-lo como quiser. Você pode transferir, investir ou simplesmente armazenar seus DAI. Se quiser seu valor de garantia (colateral) de volta, precisará pagar os 100 DAI. No entanto, caso seu colateral caia abaixo de um determinado índice de garantia ou do valor do empréstimo, ele será liquidado.

Quando o valor da stablecoin está abaixo de US$ 1, os holders (detentores) são incentivados a devolver suas stablecoins para recuperar o valor do colateral (garantia). Isso diminui a oferta da moeda, fazendo com que o preço suba e volte para US$ 1. Por outro lado, se o valor do token está acima de US$ 1, há um incentivo para emissão do token, aumentando sua oferta e diminuindo o preço. O DAI é um exemplo, mas todas as stablecoins atreladas a criptomoedas dependem de uma mistura de teoria dos jogos e algoritmos on-chain para incentivar a estabilidade de preços.

Stablecoins algorítmicas

Stablecoins algorítmicas adotam uma abordagem diferente, eliminando a necessidade de reservas. Em vez disso, algoritmos e contratos inteligentes gerenciam o fornecimento dos tokens emitidos, de maneira semelhante à política monetária de um banco central. Este modelo é bem mais raro do que os de stablecoins atreladas a criptomoedas ou moedas fiduciárias e a sua implementação é mais complicada.

Basicamente, um sistema de stablecoin algorítmica reduzirá o fornecimento do token quando o preço cair abaixo do valor da moeda fiduciária a qual está atrelado. Isso pode ser feito através de staking bloqueado, queima ou recompras (buy-backs). Se o preço ultrapassar o valor da moeda fiduciária, novos tokens entram em circulação para reduzir o valor da stablecoin.


Quais são as vantagens das stablecoins?

As stablecoins oferecem uma ferramental versátil e poderosa para investidores, traders e usuários de criptomoedas. Suas principais vantagens são: 

1. Stablecoins podem ser usadas para pagamentos diários. Estabilidade é algo valorizado por lojas, empresas e indivíduos. Por conta da volatilidade, as criptomoedas não são amplamente utilizadas para processamento de pagamentos. As grandes stablecoins têm um histórico confiável em termos de manutenção do valor atrelado, tornando-as bastante seguras e adequadas para uso diário.
2. Stablecoins contam com os benefícios de serem baseadas em blockchains. É possível enviar stablecoins para qualquer pessoa que tenha uma carteira de criptomoedas (que pode ser criada gratuitamente e em poucos segundos). Além disso, é praticamente impossível a ocorrência de gastos duplos ou de falsas transações. Todas essas qualidades tornam as stablecoins incrivelmente versáteis.
3. Stablecoins podem ser usadas por traders e investidores para proteger seus portfólios (hedge). Alocar uma porcentagem de um portfólio para moedas estáveis é uma maneira eficaz de reduzir os riscos. Seu portfólio como um todo será mais resistente às oscilações de preços de mercado, e você também terá fundos à mão caso apareça uma boa oportunidade. Em um período de queda do mercado, você também pode vender criptomoedas por stablecoins e recomprá-las a um preço mais baixo (shorting). As stablecoins permitem que você entre e saia de posições de forma conveniente, sem a necessidade de retirar seus fundos da blockchain.


Quais são as desvantagens das stablecoins?

Apesar de seu potencial para incentivo da adoção geral de criptomoedas, as stablecoins ainda têm algumas limitações: 

1. Não há garantia de que uma stablecoin manterá seu valor atrelado. Embora alguns grandes projetos tenham um ótimo histórico, também houve projetos que falharam. Quando uma stablecoin apresenta problemas constantes para manter seu valor de atrelamento, ela pode perder todo o seu valor.
2. Falta de transparência. Tanto o Tether (USDT) quanto o USD Coin (USDC) ainda não lançaram auditorias públicas completas e a maioria das grandes stablecoins fornece apenas alguns atestados regulares. Contadores particulares atuam em nome dos emissores da stablecoin.
3. As stablecoins com colateralização fiduciária (fiat) são geralmente mais centralizadas do que outras criptomoedas. Uma entidade central é responsável pela criptomoeda e detém o valor de garantia (colateral). Ela também pode estar sujeita à regulação financeira externa. Isso oferece um controle significativo sobre a stablecoin. Além disso, você precisa confiar que o emissor realmente possui as reservas divulgadas. 
4. Moedas cripto-colateralizadas e não-colateralizadas dependem muito de sua comunidade para funcionar. Mecanismos de governança abertos são comuns em projetos cripto. Ou seja, os usuários têm influência no desenvolvimento e execução de cada projeto. Sendo assim, você precisa se envolver ou simplesmente confiar nos desenvolvedores e na comunidade para gerenciamento responsável do projeto.


Casos de uso das stablecoins

Vamos conferir mais detalhes sobre duas stablecoins populares no mercado: BUSD e DAI.

Stablecoin atrelada a moedas fiduciárias: Binance USD (BUSD)

BUSD é uma stablecoin atrelada ao dólar (USD), criada pela parceria entre a Paxos e a Binance. O Departamento de Serviços Financeiros do Estado de Nova York (NYSDFS) regula o BUSD, e atestados regulares confirmam que as reservas fiduciárias são iguais ao fornecimento de BUSD no mercado. No site da Paxos, você pode emitir novos BUSD ou queimar BUSD pelo valor colateral subjacente. Este mecanismo permite que os traders de arbitragem mantenham o valor de atrelamento do BUSD.

Stablecoin atrelada a criptomoedas: MakerDAO (DAI)

DAI é uma das mais famosas stablecoins atreladas a criptomoedas que acompanha o valor do USD na Ethereum. A moeda é gerenciada pela comunidade MakerDAO, que detém o token de governança MKR. Você pode usar o token MKR para criar e votar em propostas de alterações do projeto. O token DAI é sobrecolateralizado para lidar com a volatilidade das criptomoedas e os usuários entram em Posições de Dívida Colateralizada (CDPs - Collateralized Debt Positions) que gerenciam seu valor de garantia (colateral). Todo o processo é executado através de contratos inteligentes.


As stablecoins são reguladas?

Devido à sua capacidade única de combinar moedas fiduciárias e criptomoedas, as stablecoins atraíram o interesse de órgãos reguladores em todo o mundo. Como mantêm um preço estável, elas são úteis por outros motivos que não a especulação. Elas também podem ser transferidas internacionalmente de forma rápida e barata. Alguns argumentam que as stablecoins podem atuar como concorrentes das moedas fiduciárias, embora não possam ser controladas diretamente pelo banco central de um país. Para prevenir essa possível concorrência, alguns países já experimentam a criação de suas próprias stablecoins.

Como a stablecoin é um tipo de criptomoeda, ela provavelmente funcionará sob os mesmos parâmetros reguladores que as criptomoedas em sua jurisdição local. A emissão de stablecoins com reservas fiduciárias também pode precisar da aprovação de órgãos reguladores.


Considerações finais

Atualmente, é difícil encontrar um investidor ou trader que não tenha ou não use stablecoins. Geralmente, os traders armazenam stablecoins em corretoras de criptomoedas (exchanges) para que possam capitalizar rapidamente novas oportunidades de mercado. Como mencionado anteriormente, elas também são muito úteis para entrar e sair de posições sem a necessidade de efetuar saques em moedas fiduciárias. Além de trading e investimentos, elas são usadas para pagamentos, transferências internacionais ou geração de renda passiva através do staking no ecossistema DeFi.

Mesmo sendo parte integrante do setor cripto e possibilitando a criação de um novo sistema financeiro, não subestime os riscos associados às stablecoins. Muitos projetos fracassaram por motivos como falha no atrelamento, reservas inexistentes ou problemas judiciais. Portanto, lembre-se, embora as stablecoins sejam incrivelmente versáteis, elas ainda são criptomoedas e apresentam riscos semelhantes. Você pode mitigar os riscos diversificando seu portfólio, mas certifique-se de fazer suas próprias pesquisas antes de investir ou fazer trades.