O que são Stablecoins?
HomeArticles

O que são Stablecoins?

Iniciante
1w ago
6m

Conteúdo


O que é uma stablecoin?

Stablecoins são ativos digitais criados para imitar o valor de moedas fiduciárias como o dólar ou o euro. Com elas, os usuários podem transferir valores por todo o mundo de forma rápida e barata, mantendo a estabilidade dos preços.

Criptomoedas como a Bitcoin e a Ethereum são notórias por sua volatilidade de preços em relação às moedas fiduciárias. Isso é de se esperar, pois a tecnologia blockchain ainda é muito nova e os mercados de criptomoedas são relativamente pequenos. O fato de o valor de uma criptomoeda não estar atrelado a nenhum ativo é interessante do ponto de vista do mercado livre, mas pode ser um ponto negativo quando se trata de usabilidade. 

Como meio de troca, as criptomoedas são excelentes do ponto de vista tecnológico. No entanto, as flutuações em seu valor acabaram tornando-as investimentos altamente arriscados e não ideais para realização de pagamentos. No momento em que uma transação é concluída, as moedas podem valer significativamente mais ou menos do que valiam no momento da transferência.

As stablecoins não têm esse problema. Esses ativos apresentam alterações insignificantes de preços e acompanham de perto o valor do ativo subjacente ou da moeda fiduciária a qual estão atrelados. Sendo assim, servem como ativos de refúgio em meio a mercados voláteis.

Existem várias maneiras pelas quais uma stablecoin pode manter sua estabilidade. Neste artigo, discutiremos alguns dos mecanismos utilizados, suas vantagens e limitações.


Como funcionam as stablecoins?

Existem algumas categorias de stablecoins, cada uma delas atreladas de maneiras diferentes. Abaixo estão alguns dos tipos mais comuns de stablecoin.


Stablecoins atreladas a moedas fiduciárias (Fiat-backed)

O tipo mais popular de stablecoin é a diretamente atrelada à moeda fiduciária com proporção de 1:1. Também chamamos de "fiat-collateralized stablecoins", ou seja, uma stablecoin com garantia em moeda fiduciária. Um emissor central (ou banco) mantém uma quantidade de moeda fiduciária em reserva e emite uma quantidade proporcional de tokens. 

Por exemplo, o emissor pode armazenar um milhão de dólares e distribuir um milhão de tokens no valor de um dólar cada. Os usuários podem negociá-los livremente, como fariam com tokens ou criptomoedas e a qualquer momento, os detentores de tokens podem trocá-los pelo valor equivalente em dólares americanos.

Evidentemente, existe aqui um alto risco de contraparte que não pode ser mitigado: no fim das contas, o emissor deve ser confiável. Não há como um usuário determinar com segurança se o emissor de fato mantém fundos em reserva. Na melhor das hipóteses, a empresa emissora pode tentar ser o mais transparente possível quando se trata de publicar auditorias, mas o sistema está longe de trustless (sem necessidade de confiança).

A Binance oferece duas stablecoins atreladas à moedas fiduciárias – a BUSD, que mantém lastro com o dólar americano e a BGBP, que é atrelada à libra britânica.





Pensando em investir em stablecoins? Compre BUSD na Binance!



Stablecoins atreladas a criptomoedas (Crypto-backed)

As stablecoins atreladas à criptomoedas se espelham nas fiat-backed. A principal diferença é que a criptomoeda é usada como colateral (garantia). Mas como a criptomoeda é digital, os contratos inteligentes são responsáveis pela emissão de unidades. 

As stablecoins atreladas a criptomoedas são "trust-minimized" (a necessidade de confiança é minimizada), mas é importante notar que a política monetária é determinada pelos eleitores como parte de seus sistemas de governança. Isso significa que você não confia em um único emissor, mas confia que os participantes da rede sempre agirão pensando no que é melhor para todos os usuários.

Para adquirir esse tipo de stablecoin, os usuários bloqueiam suas criptomoedas em um contrato, que emite o token. Mais tarde, para recuperar suas garantias, eles pagam stablecoins de volta para o mesmo contrato (juntamente com o valor de juros). 

Os mecanismos específicos que impõem o lastro, variam de acordo com os designs de cada sistema. Podemos dizer que uma mistura de teoria dos jogos e algoritmos on-chain incentiva os participantes a manter o preço estável.


Stablecoins algorítmicas

As stablecoins algorítmicas não são atreladas a fiat ou criptomoedas. Em vez disso, seu lastro é obtido inteiramente pelos algoritmos e contratos inteligentes que gerenciam o fornecimento dos tokens emitidos. A política monetária é muito semelhante à usada pelos bancos centrais para gerenciar moedas nacionais. 

Essencialmente, um sistema algorítmico de stablecoin reduzirá o fornecimento de tokens caso o preço caia abaixo do preço da moeda fiduciária correspondente. Se o preço ultrapassar o valor da moeda fiduciária, novos tokens entram em circulação para reduzir o valor da stablecoin.

Eventualmente, você pode ouvir falar de uma categoria de tokens denominada "non-collateralized stablecoins" (stablecoins sem garantia). Isso é tecnicamente incorreto, pois eles têm garantia – embora não seja da mesma forma que os dois tipos citados anteriormente. No caso de um evento de black swan, as stablecoins algorítmicas podem ter algum tipo de garantia para lidar com movimentos de mercado excepcionalmente voláteis.


Casos de uso de stablecoins

As stablecoins colateralizadas são de longe as mais comuns na prática. Exemplos dessas moedas incluem USD Tether (USDT), True USD (TUSD), Paxos Standard (PAX), USD Coin ( USDC) e Binance USD (BUSD). No entanto, também existem instâncias das outras duas categorias mencionadas atualmente disponíveis no mercado. A Bitshares USD e a DAI são criptomoedas colateralizadas, enquanto a Carbon e a Base (agora extinta) são exemplos de variantes algorítmicas.

Esta lista está longe de estar completa. O mercado das moedas digitais estáveis é bem amplo, o que pode ser comprovado pela proliferação de centenas de projetos de stablecoins.

Para uma análise mais completa sobre stablecoins, confira o relatório da Binance Research:A Evolução das Stablecoins.


Prós e contras das stablecoins

A principal vantagem das stablecoins é seu potencial de fornecer um meio de troca complementar para as criptomoedas. Devido aos altos níveis de volatilidade, as criptomoedas foram incapazes de obter amplo uso em aplicações diárias, como processamento de pagamentos. Ao fornecer níveis mais altos de previsibilidade e estabilidade, as moedas estáveis resolvem esse problema.

As stablecoins funcionam como uma proteção contra a volatilidade, e também podem desempenhar um papel na integração entre as criptomoedas e os mercados financeiros tradicionais. Esses dois mercados existem como ecossistemas separados com pouca interação. Com uma forma mais estável de moeda digital disponível, é muito provável que as criptomoedas tenham um uso crescente nos mercados de empréstimos e crédito que, até agora, foram dominados exclusivamente por moedas fiduciárias emitidas pelo governo.

Além de sua utilidade em transações financeiras, as stablecoins podem ser usadas por traders e investidores para proteger suas carteiras. Alocar uma certa porcentagem do portfólio para stablecoins é uma maneira eficaz de reduzir os riscos. Ao mesmo tempo, manter uma reserva de valor que possa ser usada para comprar outras criptomoedas, quando os preços caírem, pode ser uma estratégia eficaz. Além disso, essas moedas podem ser usadas para “congelar” os lucros obtidos com a subida de preços, sem a necessidade de efetuar saques. 

Apesar do potencial apoio à adoção geral de criptomoedas, as stablecoins ainda apresentam certas limitações. As variantes com garantia Fiat são menos descentralizadas que as criptomoedas comuns, pois é necessária uma entidade central para manter os ativos de suporte. Quanto às moedas cripto-colateralizadas e não colateralizadas, os usuários devem confiar na comunidade (e no código-fonte) para garantir a longevidade dos sistemas. Como ainda são novas tecnologias, elas precisam de algum tempo para amadurecer.


Considerações finais

Embora tenham algumas desvantagens, as stablecoins são extremamente importantes para o mercado de criptomoedas. Por meio de vários mecanismos, essas moedas digitais podem permanecer estáveis a preços definidos. Isso permite que eles sejam usadas de forma confiável, não apenas como meio de troca, mas como opção de segurança para traders e investidores. 

Embora inicialmente tenha sido projetada para fornecer aos traders uma ferramenta eficaz para gerenciamento de riscos, é claro que as aplicações de stablecoins vão muito além do trading. Representam uma ferramenta poderosa que podem fortalecer o ecossistema das criptomoedas como um todo, sendo especialmente úteis em momentos em que alternativas voláteis não são a escolha ideal.